Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / PCP Viseu diz que grupo Aquinos impõe férias ilegalmente

PCP Viseu diz que grupo Aquinos impõe férias ilegalmente

O PCP de Viseu diz que a pandemia de Covid-19 não pode pôr em causa os direitos laborais e acusou o grupo Aquinos de “impor ilegalmente” o gozo de férias a milhares de trabalhadores.

Os comunistas de Viseu dizem que tem havido “pressões do patronato para marcação forçada de férias, no grupo Aquinos”, produtor de sofás e colchões com sede em Tábua, distrito de Coimbra, que tem também unidades em Carregal do Sal e Nelas, distrito de Viseu, além de França e Polónia.

João Abreu do PCP Viseu, em declarações à Alive Fm, diz que o grupo Aquinos “está a cometer uma ilegalidade”.

O grupo Aquinos, um dos cinco maiores produtores mundiais de sofás e colchões, mandou esta semana de férias os trabalhadores das fábricas em Portugal devido à pandemia de Covid-19.

A pandemia, diz João Abreu, que não pode ser aproveitada para serviço próprio da empresa que está segundo os comunistas “está a desrespeitar o direito dos trabalhadores e do próprio Estado.

O PCP após este caso no grupo Aquinos, diz que vai questionar o ministro do Trabalho e da Segurança Social e acionar junto da Autoridade para as Condições de Trabalho o procedimento na defesa dos trabalhadores.

Em mensagem dirigida aos seus 3.200 trabalhadores nacionais, a que a agência Lusa teve acesso, a administração refere que, “após análise ponderada, decidiu-se, para segurança de todos”, fixar “o gozo de férias entre os dias 17 e 20 de março.

Desta medida ficam excluídos os trabalhadores com filhos menores de 12 anos, cujas escolas encerraram e que já se encontram em casa.

“Sabemos que o gozo de férias antes de 01 de abril deverá ser consentido por acordo, pelo que se algum colaborador não concordar com esta medida deverá manifestar via telefónica ou através de ‘e-mail’ para os recursos humanos”, refere a administração.

Em 2019, o grupo faturou mais de 300 milhões de euros em vendas para quase 40 países.

Emprega atualmente 4.000 pessoas, das quais 3.200 em Portugal e 800 nas fábricas de França e Polónia e nos escritórios espalhados que possui noutros países, incluindo Brasil e China.

 

Pode ver também

Homem morreu eletrocutado em Tarouca

Um homem de 28 anos morreu este domingo, depois de ter sofrido uma eletrocussão num …

Comente este artigo