Home / Notícias / Viseu tem a partir de hoje mais um pulmão verde. Mata do Serrado abriu portas ao público

Viseu tem a partir de hoje mais um pulmão verde. Mata do Serrado abriu portas ao público

Mata do Serrado abriu portas ao público, oferecendo um espaço privilegiado de lazer para toda a família

Em pleno centro urbano, há mais um espaço verde que convida viseenses, visitantes e turistas à fruição plena: a Mata do Serrado.

A abertura oficial aconteceu hoje de manhã, na presença do Presidente da Câmara Municipal de Viseu, Fernando Ruas, dos Vereadores Executivos e demais entidades convidadas. Nesta manhã dedicada à celebração da natureza, a Mata ganhou vida com a presença de cerca de 500 crianças das Escolas Básicas de Jugueiros e Aquilino Ribeiro, que aqui participaram em diversas atividades outdoor e entoaram ainda o hino “Viseu Cidade Educadora”.

A Mata do Serrado, com cerca de 22 mil metros quadrados, é mais um espaço verde que a Cidade-Jardim coloca à disposição da comunidade, em complementaridade com outros espaços verdes, de dimensão considerável, como é o Parque Aquilino Ribeiro e a Mata do Fontelo.

O espaço foi cedido à autarquia por um período de 30 anos, ao abrigo de um contrato de planeamento entre a família proprietária da Quinta, a Geriavi Portugal – empresa na área dos cuidados para idosos e saúde mental – e o Município de Viseu.

“Seguramente, não haverá muitas cidades que se possam orgulhar de ter uma manta verde tão diversa e espaçosa quanto esta”, salientou, no discurso de abertura, o Presidente da Câmara, referindo-se à “coroa verde” que hoje podemos usufruir na Cidade-Jardim. “Isto dá-nos uma garantia, que é aquilo que também queríamos: a preservação de uma cidade horizontal.

Queremos uma cidade ampla, onde as pessoas tenham oportunidade de ver as Serras do Caramulo e da Estrela, sem grandes prédios ou infraestruturas”. “Hoje, sem dúvida, respiramos melhor em Viseu”, concluiu o autarca.

Nos últimos meses, foi realizada uma avaliação de todas as espécies arbóreas no local. As árvores foram inventariadas, num total de 432 exemplares, sendo a sua maioria carvalhos e castanheiros. Existem ainda medronheiros e sobreiros. A intervenção realizada foi o menos invasiva possível, considerando que esta é uma Mata e não um Parque Urbano.

O objetivo foi garantir o mais possível o conceito original de espaço de natureza, realizando-se algumas podas de manutenção e abates pontuais de árvores em risco de queda, com vista a assegurar a segurança de pessoas e bens.

Neste espaço, foram ainda implementados diversos equipamentos de apoio à utilização da Mata, nomeadamente mesas, bancos e papeleiras.

A par da Mata, no futuro, a comunidade poderá ainda usufruir da Casa Solarenga e dos espaços adjacentes, que ocupam uma área total de cerca de 4 mil metros quadrados.

A requalificação do edifício ficará a cargo da empresa Geriavi, passando depois este para alçada da autarquia que poderá colocá-lo à disposição do público, nomeadamente para atividades de caráter cultural e educativo.

 

Pode ver também

Rosa Quinteiro é a vencedora do prémio literário Cónego Albano Martins de Sousa.

Com a obra “Poemas do Caderno Azul” a escritora é pela segunda vez galardoada, numa …

Comente este artigo