Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / PS quer central dos Pisões, em Tondela, transformada em “museu vivo da história da eletricidade”

PS quer central dos Pisões, em Tondela, transformada em “museu vivo da história da eletricidade”

Os deputados do PS eleitos por Viseu no Parlamento lamentam a degradação da Central Hidroelétrica dos Pisões, construída em 1925, em Nandufe, no concelho de Tondela, e defendem que aquele património deve ser transformado num “museu vivo da história da eletricidade”.

“Este imóvel, assim como todo o espólio que dele faz parte, podem ser considerados de interesse público, dado o seu valor histórico, ligado diretamente à eletrificação e consequente industrialização do concelho de Tondela”, referem os deputados José Rui Cruz e Lúcia Araújo Silva numa pergunta feita ao Ministério do Ambiente.

Na opinião dos parlamentares, atendendo à “importância da produção das mini-hídricas para a sustentabilidade ambiental, este projeto poderá ser um fator de sustentabilidade local e, ao mesmo tempo, um museu vivo da história da eletricidade em Portugal” e especificamente nesta região de baixa densidade.

Os deputados realçam que o conjunto arquitetónico faz parte da história de Nandufe, que “foi das primeiras aldeias da região a ter energia elétrica” e, neste âmbito, defendem “a sua conservação e manutenção e eventual transformação num local de visita turística na bacia hidrográfica do rio Dinha”.

Numa visita feita recentemente ao local, os deputados “depararam-se com a destruição completa do caminho de acesso e com um portão de vedação das propriedades contíguas pertencentes ao senhor Arménio Leite Marques”.

Depois de o proprietário ter aberto o portão, o sentimento foi de desolação, acrescentam, aludindo à “movimentação de terras que deixou o canal de água suspenso”, à destruição das poldras do rio e a um “silvado de grandes proporções junto às janelas”.

O vereador da Câmara de Tondela, Miguel Torres, disse à agência Lusa que “desde que foi tornado público que a central iria deixar de funcionar, o município manifestou de imediato à EDP a sua predisposição para acolher o edifício para aí poder desenvolver um eventual polo museológico do Museu Terras de Besteiros”.

Nesse âmbito, enviou “vários e-mails para a EDP, entre 2013 e 2015”, mas não obteve resposta.“No início de 2016, a EDP informou o município de que a sua concessão do espaço havia terminado, pelo que qualquer assunto sobre eventuais cedências teriam que ser tratadas com a Agência Portuguesa do Ambiente (APA)”, contou Miguel Torres.

Nessa altura, o município enviou à APA um e-mail “com o mesmo teor, fazendo a mesma proposta e sugerindo a realização de uma reunião”, mas também não recebeu resposta. Miguel Torres garantiu que “não é por falta de vontade do município de Tondela que o imóvel se degrada, mas sim porque as entidades responsáveis pela gestão de um imóvel que é da administração central nunca responderam às propostas que lhes foram feitas”.

Questionado sobre o facto de o caminho ter sido vedado, o vereador contou que a Junta de Freguesia de Nandufe (antes da agregação com a Junta de Freguesia de Tondela) questionou o município sobre esse facto, o que levou à abertura de um processo na fiscalização municipal e ao pedido de um parecer a um gabinete de advogados.

O parecer referiu que a central é “um prédio encravado, que beneficia de uma servidão particular de passagem (contrato de 1931)” e que esta é “uma situação regida pelo direito privado, a que o município de Tondela e o direito administrativo são alheios”, pelo que o processo foi arquivado.

O presidente da Junta de Freguesia Tondela/Nandufe, Francisco Coutinho, disse à Lusa que o parecer não é isento, porque quem o assina “é advogado da Câmara e advogado da pessoa que pôs o portão a fechar o caminho”.“Não estou contra o proprietário do terreno, estou é a favor de arranjar uma solução para o património que lá está dentro”, frisou, considerando que a Câmara de Tondela poderia comprar o edifício e inseri-lo no Museu Terras de Besteiros.

 

Pode ver também

Tabuaço: freguesia de Paradela e Granjinha perdeu mais de 40% da população em 10 anos

Paradela e Granjinha, no concelho de Tabuaço e distrito de Viseu, perdeu 45% da sua …

Comente este artigo