Home / Notícias / Professores lançaram ‘outdoor’ no IP3 a lembrar tempo de serviço congelado

Professores lançaram ‘outdoor’ no IP3 a lembrar tempo de serviço congelado

A Federação Nacional de Educação (FNE) lançou hoje um ‘outdoor’ no IP3 a lembrar o tempo de serviço congelado e alertou que o novo ano letivo poderá ter um impacto nas escolas pior do que o anterior.

“Não apenas e só pelas lutas dos professores, mas também porque hoje, prestes a iniciar o novo ano letivo, há muitos alunos que não vão ter professores no dia 12 [de setembro]”, disse Pedro Barreiros à agência Lusa, no concelho de Penacova, distrito de Coimbra, junto ao Itinerário Principal 3 (IP3).

O dirigente sindical salientou que a falta de docentes “não é devido às lutas, mas porque não existe quem queira ser professor e o ministério da Educação nada faz para tornar a carreira atrativa para que os mais jovens queiram ser professores”.

Na freguesia de Oliveira do Mondego, ao lado do IP3, que liga Coimbra a Viseu, a FNE inaugurou hoje o ‘outdoor’ de lançamento do IP 6623, em alusão ao tempo de serviço que o Governo ainda não contabilizou aos docentes para efeitos de subida na carreira.

Com esta iniciativa, que marca o arranque das ações pela recuperação do tempo de serviço congelado, a FNE denunciou que o Governo liderado pelo socialista António Costa não cumpriu a promessa de requalificar aquele itinerário, em detrimento do tempo de serviço dos professores.

“O IP3 teve de ser relembrado, essencialmente porque foi uma promessa que, paralelamente, condicionou a recuperação do tempo de serviço dos professores”, sublinhou o secretário-geral daquela estrutura, salientando que, afinal, “nem uma coisa nem outra foram feitas”.

Pedro Barreiros frisou que, se “porventura, tem sido recuperado o IP3, os professores não tinham argumentos para estar hoje a fazer esta comparação”.

“Não tendo sido recuperado o IP3 nem o tempo de serviço, temos de perguntar ao primeiro-ministro o que esteve mal para que nem uma coisa nem outra tenham sido recuperadas”, sublinhou.

O dirigente sindical anunciou que a FNE tem já várias ações de luta agendadas até meio de outubro, destacando as greves ao sobretrabalho, horas extraordinárias e componente não letiva a partir de 12 de setembro, dia em que se inicia o novo ano letivo.

Entre 02 e 06 de outubro estão previstas concentrações diárias nas escolas, plenários, uma concentração à porta da residência oficial do primeiro-ministro, um seminário internacional (dia 05) e uma greve nacional de professores e educadores (dia 06).

“Já temos um calendário vasto e rico até meados de outubro, mas não vamos parar por aqui e a nossa ação vai depender da disponibilidade do Governo e do ministério da Educação para nos sentarmos à mesa e respondermos aos problemas que afetam os alunos, as famílias e, obviamente, os professores”, sublinhou Pedro Barreiros.

Lusa

 

Pode ver também

Noite de Gala do TRC atribui Prémio de Mérito a João Gama

O 16º aniversário da reabertura ao público do majestoso Teatro Ribeiro Conceição (TRC), em Lamego, é …

Comente este artigo