Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / PJ deteve funcionário de escola de Viseu suspeito de abusar de duas alunas

PJ deteve funcionário de escola de Viseu suspeito de abusar de duas alunas

A Polícia Judiciária (PJ) do Porto deteve um funcionário de uma escola do distrito de Viseu suspeito de abusar sexualmente de duas alunas com incapacidade física e intelectual, adiantou esta quinta-feira esta força policial.

O detido, com 50 anos e sem antecedentes criminais, foi já presente ao Tribunal de Instrução Criminal de Viseu, tendo ficado sujeito a apresentações periódicas às autoridades e proibido de contactar com as vítimas, referiu a PJ, em comunicado.

Além disso, o homem foi suspenso do exercício de funções como assistente operacional no estabelecimento de ensino.

A PJ revelou que os alegados abusos sexuais ocorriam desde 2017.

As vítimas, atualmente com 17 e 19 anos, são frequentadoras do ensino especial devido a défices intelectuais e motores, sublinhou.

A rapariga mais velha seria vítima de abuso sexual por parte do arguido desde os 15 anos, revelou a PJ.

“Arguido e vítimas conheceram-se em virtude de aquele ser funcionário da escola que estas frequentam. No âmbito desta relação, o arguido foi-se aproximando das vítimas com o intuito de ganhar a sua confiança e, desta forma, poder concretizar práticas sexuais abusivas”, explicou.

Para concretizar os presumíveis abusos sexuais, o detido encaminhava as duas raparigas para locais reservados a funcionários, acrescentou a PJ.

Como recompensa pelas práticas abusivas, bem como para as manter em segredo, oferecia-lhes diversas guloseimas e outros bens de consumo, assim como pequenas quantias em dinheiro, descreveu a PJ.

“Ameaçava-as, ainda, de práticas mais gravosas caso as revelassem a terceiros, o que as mantinha em constante sobressalto”, vincou esta força policial.

 

Pode ver também

Viseu: Padre acusado de assédio a menor defende-se em SMS para paroquianos

O pároco da Diocese de Viseu ameaça apresentar queixas-crime contra quem “mente e calunia”. A …

Comente este artigo