Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / Empresa exploradora de pedreira em Carregal do Sal desmente falta de licenciamento
Fotografia Lusa

Empresa exploradora de pedreira em Carregal do Sal desmente falta de licenciamento

Sociedade de Granitos do Dão, Lda., do grupo Socitop, desmentiu hoje que o licenciamento da pedreira em Fiais da Telha, Carregal do Sal, não esteja finalizado, uma vez que “cumpriu escrupulosamente todos os requisitos legais exigidos”.

“As últimas notícias e reportagens publicadas a respeito do processo de licenciamento de uma pedreira em Fiais da Telha, no concelho de Carregal do Sal, são falsas e, consequentemente, colocam em causa o bom nome e imagem da empresa Inerdão – Sociedade de Granitos do Dão, Lda., pertencente ao Grupo Socitop”, explica o comunicado enviado à agência Lusa.

O documento acrescenta que “o processo de licenciamento cumpriu escrupulosamente todos os requisitos legais exigidos pela entidade licenciadora ao longo de mais de dois anos de tramitação e que se encontra presentemente aprovado, com a licença de exploração n.º 6835”.

O comunicado, assinado pela gerência, explica que “a Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) e a Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC) emitiram pareceres favoráveis, com data de 15/04/2019 e 08/05/2019, respetivamente, e a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC) emitiu a 13/11/2019 a aprovação do Plano Ambiental e de Recuperação Paisagística (PARP)”.

Lê-se igualmente que “o processo de licenciamento da pedreira não teve qualquer parecer técnico negativo da Câmara Municipal de Carregal do Sal, o que é cabalmente demonstrado pelo ofício com referência n.º 2502061, com data de 13/05/2019, subscrito pelo referido Presidente”.

No entender da gerência do grupo Socitop, “de uma simples análise” ao parecer da Câmara “resulta evidente que o Município do Carregal do Sal, representado pelo seu Presidente, não suscitou qualquer reserva ou manifestou qualquer posição desfavorável quanto à instalação da Pedreira”.

“À semelhança do Município do Carregal do Sal, todas as entidades de cujo parecer depende a legalidade da instalação e funcionamento da pedreira foram favoráveis ao licenciamento”, lê-se.

“Na fase final de todo o processo, e para cumprimento das condições finais de licenciamento da pedreira comunicadas por ofício da entidade licenciadora, a Inerdão remeteu para a Direcção Geral de Energia e Geologia (DGEG) cheque visado com o valor da caução, exigido pela referida entidade, bem como as evidências do cumprimento integral de todas as condições de licenciamento da pedreira exigidas pela entidade licenciadora e pela CCDRC, pelo ACT e pela ASRC”, explica.

Neste sentido, a empresa entende que “as referidas entidades pertencem à administração pública e são o garante da salvaguarda de todos os interesses coenvolvidos na exploração de uma atividade como a que está causa” e, “através dessas entidades, o Estado garante que todos os direitos e interesses dos cidadãos e da comunidade foram devidamente avaliados e estão devidamente acautelados”.

“Contra tudo o que tem sido veiculado à população do Carregal do Sal, nomeadamente pelos responsáveis políticos, impõe-se deixar claro que a pedreira não impede o funcionamento do circuito pré-histórico existente. Aliás, a Inerdão tudo fará para que a mesma continue a ser um sucesso e um local de referência”, assume o documento.

No dia 29 de fevereiro, juntaram-se cerca de 200 pessoas em Fiais da Telha, na freguesia de Oliveira do Conde, município de Carregal do Sal, distrito de Viseu, entre os quais habitantes, autarcas e deputados, a manifestarem-se contra a reabertura da pedreira.

Na altura, o presidente da Câmara de Carregal do Sal, Rogério Abrantes, contava que “a exploração estava parada, porque enviou ao local “fiscalização a pedir a licença e que tinham de parar a obra até a apresentarem, o que não aconteceu até à data”, tal como o parecer da CCDR Centro, “que não foi dado a conhecer à autarquia, apesar de solicitado, mais que uma vez”.

A reabertura da pedreira, 45 anos depois de ter sido desativada, também já tinha levado o Bloco de Esquerda a questionar, em janeiro.

O grupo parlamentar do BE quis saber se o Ministério do Ambiente e Ação Climática tem conhecimento desta situação e se “existe algum pedido de prospeção e pesquisa ou exploração para a zona coincidente com esta antiga pedreira”.

 

Pode ver também

GNR promove campanha para a Eliminação da Violência contra as Mulheres

A Guarda Nacional Republicana está a realizar uma campanha de sensibilização, em todo o território …

Comente este artigo