Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / Dezoito funcionárias da Misericórdia de Viseu sem resposta sobre o seu futuro laboral

Dezoito funcionárias da Misericórdia de Viseu sem resposta sobre o seu futuro laboral

O encerramento do Centro de Acolhimento Temporário (CAT) da Misericórdia de Viseu deixou 18 funcionárias na incerteza do futuro, disseram hoje as trabalhadoras, que se manifestaram contra o possível despedimento, que foi transmitido verbalmente.

“Estamos a reivindicar a nossa colocação nas várias valências que a Santa Casa [da Misericórdia de Viseu] tem” porque a instituição “não é só CAT (…) tem muitos locais onde nos pode colocar e não querem. Sinto que é para nos descartarem”, disse Teresa Alves.

Esta funcionária da Santa Casa da Misericórdia de Viseu (SCMV) há 17 anos considerou a postura da entidade patronal como “uma desconsideração total e uma falta de respeito” pelas trabalhadoras, pois, afirmam, “há muita falta de pessoal nas várias valências” da instituição.

“As várias diretoras queixam-se da falta de pessoal e nós já soubemos, depois de nos dizerem que havia despedimentos, que foram realizadas entrevistas para recrutamento de pessoal para a Santa Casa e nós viemos para a rua”, explicou Teresa Alves.

A maior parte das trabalhadoras juntou-se hoje em frente às instalações onde funciona o CAT, cujo encerramento se tornou público em setembro e, das 17 crianças que acolhia, “as últimas três foram retiradas hoje para famílias de acolhimento”.

“Ainda não recebemos nada por escrito e amanhã vamos todas para o local de trabalho, mas não sei fazer o quê, porque não há mais crianças para cuidar. Vou ocupar o meu posto de trabalho e depois não faço ideia”, sublinhou Teresa Domingos

As trabalhadoras adiantaram aos jornalistas que “foi o pior Natal” das suas vidas, não só porque tiveram de “abandonar a família”, como, pelo que “foi dito em conversa por alguém da instituição, o futuro seria o despedimento, isto a dias do Natal”.

“Deram-nos a escolher a cessação do posto de trabalho ou o despedimento coletivo, mas não escolhemos, é a Casa que deve escolher, não eu. Sou contra o despedimento, eu e as minhas colegas (…) porque há valências onde podemos ser recolocadas”, sustentou.

Teresa Alves defendeu ainda que o CAT “não era uma instituição, era uma família e esta era a casa das crianças e, de um momento para o outro, foram distribuídas por novas valências onde as crianças não conhecem um rosto nem um amigo”.

“Há crianças que estavam aqui desde bebés e agora têm oito e nove anos e foram embora, de um momento para o outro”, acrescentou Teresa Alves.

O representante do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Centro, presente na manifestação, esclareceu os jornalistas que notificou, em novembro, a SCMV, mas até ao momento ainda está sem resposta.

“E isso também indigna estas trabalhadoras, esta falta de diálogo. Amanhã deixa de haver crianças nesta valência e às 18 trabalhadoras nada foi dito em relação ao dia de amanhã”, reforçou Afonso Figueiredo.

Para o sindicalista, a recolocação das funcionárias noutras valências da instituição seria, “do ponto de vista legal, o caminho correto, mas também do ponto de vista social, a Misericórdia, com quase duas dezenas de valências, o poderia fazer”.

“Poderia recolocar uma trabalhadora em cada uma das valências que tem, até porque há a necessidade de reforçar o quadro de pessoal no seu conjunto. A própria Misericórdia contratou no final da semana passada novos trabalhadores”, apontou Afonso Figueiredo.

Lusa

 

Pode ver também

Ministra da Defesa Nacional acompanha em Viseu atividades de divulgação das Forças Armadas

Programa contará também com a presença do Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas e do …

Comente este artigo