Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / Desporto / Covid-19: Confinamento dos miúdos do Cracks de Lamego é com treinos ‘online’

Covid-19: Confinamento dos miúdos do Cracks de Lamego é com treinos ‘online’

O Cracks Clube de Lamego mantém os miúdos dos diversos escalões de formação de futebol em treinos ‘online’, desde que pararam nos relvados, porque o importante é continuar a trabalhar, defendeu à agência Lusa um responsável.

“Nós, no interior, um dos nossos pontos chave é formar com excelência para podermos colocar os atletas noutros níveis competitivos. É sempre o nosso trabalho, ainda mais do que ganhar”, assumiu o coordenador do futebol de 7 e de 9 do Cracks Clube de Lamego, a norte do distrito de Viseu.

André Santiago explicou à agência Lusa que foram “dos primeiros no país a iniciar a época” de futebol de 2020/21, em 01 de agosto, sob “condições especiais”, devido à pandemia de covid-19, o que acabou por permitir “trabalhar de forma diferente algumas limitações e lacunas de alguns jogadores”.

“Estamos a falar de questões físicas e técnicas, mas que não conseguiríamos fazer se tivéssemos jogo ao fim de semana, porque tínhamos de preparar a equipa e assim trabalhámos mais o individual do que o coletivo”, admitiu.

Também treinador dos sub-15, André Santiago adiantou que voltaram aos exercícios em casa, após o encerramento dos equipamentos desportivos, por parte do município, mas o confinamento de março ensinou-os que “o plano individual não vale de muito, porque alguns acabam por não cumprir”.

“E há coisas que nos preocupam extra futebol, entre elas a obesidade, que é perfeitamente visível, e nós detetámos isso quando voltámos aos treinos presenciais no ano passado. Portanto, o exercício físico é fundamental e, depois, também por razões psicológicas e sociais”, argumentou.

Desta vez, os técnicos resolveram “atacar este novo confinamento com sessões sincronizadas com reuniões e com treino físico ao vivo”, porque, desta forma, “estariam todos juntos a participar do treino” com os respetivos treinadores.

E, “para não quebrar a rotina,” à hora do encontro presencial, duas vezes por semana, os equipamentos eletrónicos ligam-se e o treino acontece, tal como acontecia no campo, e, “em alguns casos, até os pais participam, o que é importante”.

“Porque assim cumprimos também a nossa missão de serviço público, porque não trabalhamos para obter resultados imediatos, mas sim para o desenvolvimento do atleta para que possa, em termos futebolísticos, chegar a outros níveis”, assumiu.

E têm chegado, contou. “Recentemente, temos dois atletas de sete anos que assinaram pelo Benfica para a próxima época, para o projeto mini cracks. Não vão para academia em Lisboa, por causa da idade, mas vão para uma filial em Viseu”, destacou.

“Podemos não ter competição, mas devemos continuar a trabalhar, sempre”, defendeu, acrescentando que, “não há muito tempo, outros cinco atletas foram ao ISMAI [Instituto Universitário da Maia], para prestar provas para o Sporting”.

Este olhar dos “grandes clubes nacionais” sobre os Cracks de Lamego poderá ser, no entender do treinador, “um dos fatores de motivação dos miúdos que, apesar de a época ter começado sem competições, continuam a trabalhar e focados”.

Com “foco total no desporto, a sua grande paixão,” está João Santos, de 12 anos, que “persegue o sonho de ser futebolista” e para isso conta com o apoio da família. Neste sentido, o pai, Miguel Santos, contou à agência Lusa que o filho “espera com alguma ansiedade a hora dos treinos”.

Miguel Santos adiantou ainda que o filho “sentiu uma tristeza muito grande por não haver competição” e esta paragem agora “foi mais difícil do que em março, porque agora perderam mesmo a esperança de haver campeonato”.

“É muito difícil para os miúdos, porque gostam de competir e depois deixam-se vencer pela inércia. Não é o caso do meu, pela paixão e sonho que tem, mas a maior parte deles é complicado”, considerou Miguel Santos, que admitiu ter voltado à atividade física “para ajudar os filhos e estimulá-los”.

O presidente do Cracks Clube de Lamego revelou que o número de inscrições baixou no início da época, “mas não muito, uns 15% a 20%, o que não é significativo”, o que faz com que, atualmente, haja “cerca de 250 atletas inscritos”.

“Felizmente, todo o tempo de treinos presenciais, nunca tivemos nenhum caso positivo” de infeção pelo vírus SARS-CoV-2, que provoca a covid-19, notou Marco Rodrigues, que considerou “normal e compreensível o medo de alguns pais”.

Atualmente, com sete escalões de formação de futebol, entre os oito e os 17 anos, o Cracks Clube de Lamego ostenta no seu palmarés o título de campeão nacional de juvenis na época 1977/78, na altura com o atual treinador Álvaro Magalhães.

 

Pode ver também

Desmantelamento dos pórticos no antigo IP5 condiciona trânsito na zona de Viseu

As Infraestruturas de Portugal informam que, no âmbito dos trabalhos de “Desmantelamento dos pórticos de …

Comente este artigo