Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / Investigadores iniciam projeto em Mortágua para reabilitar áreas ardidas

Investigadores iniciam projeto em Mortágua para reabilitar áreas ardidas

Investigadores do Porto iniciaram este mês na vila de Mortágua, em Viseu, um projeto que, através da implementação de micro-organismos no solo que atuam como “biofertilizantes”, pretende reabilitar as áreas queimadas pelos incêndios.

“Começamos a pensar na utilização de microalgas e de cianobactérias de solo como biofertilizantes para melhorarem a produtividade vegetal. Já tínhamos alguns resultados preliminares nesta área, nomeadamente na aplicação em solos pobres em nutrientes. E, quando abriu o concurso da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), pensamos em aplicar este sistema em solos queimados”, afirmou Paula Tamagnini, investigadora do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S) e líder do projeto GreenRehab.

Em declarações à agência Lusa, Paula Tamagnini, também docente na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP), explicou que a ação destes micro-organismos é “muito importante”, na medida em que retém a humidade, nutrientes e impedem a erosão dos solos.

“Os solos queimados precisam de ser reabilitados, o único problema é que estes solos têm grande toxicidade e talvez estes micro-organismos não possam ser aplicados diretamente. Muito provavelmente vamos ter de usar algo intermédio, como a palha, para impedir que os contaminantes do solo matem os micro-organismos”, esclareceu.

O projeto GreenRehab, inserido na área de ‘Restauro pós-fogo e gestão florestal’, arrancou no início deste mês e é um dos projetos aprovados pela FCT no âmbito do Concurso de Projetos de Investigação Científica e Desenvolvimento Tecnológico no Âmbito da Prevenção e Combate a Incêndios Florestais, com um financiamento de 180 mil euros para os próximos três anos.

Segundo Paula Tamagnini, a “primeira visita de campo” deste projeto, que além de investigadores do i3S reúne também membros do CIBIO – Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos e do GreenUPorto – Sustainable Agrifood Production Research Centre, está prevista para dia o 16 de abril e visa a “recolha de crostas das zonas circundantes às queimadas pelos incêndios”.

“Neste projeto queremos usar estirpes nativas, portanto, micro-organismos daquela área porque a probabilidade de sucesso para reintroduzir é muito maior, na medida em que são também as que tem maior capacidade de sucesso e as características associadas às condições ambientais da zona”, frisou.

À Lusa, a docente da FCUP afirmou que, “apesar” de em laboratório este processo ser “muito rápido”, não tem “ideia” de quanto tempo demorará a revitalização dos solos ardidos, adiantando, contudo, que a equipa pretende dentro de um ano e meio começar “a experimentar os consórcios [mistura de vários micro-organismos] no campo”.

Paula Tamagnini afirmou ainda que o projeto, que visa abranger a população local e ensiná-la a usar os biofertilizantes, poderá alargar-se a outras zonas queimadas do território nacional, dependendo, no entanto, “das características de cada solo”.

“As características do solo podem ser mais problemáticas. Por isso vamos avaliar quanto tempo após o fogo é que se poderá aplicar este sistema, se será ideal aplicar e como se deve aplicar. Mas, achamos que vamos conseguir aplicá-lo em qualquer solo porque este é um processo que ocorre naturalmente, simplesmente vamos acelerá-lo”, acrescentou.

Em outubro de 2017, vários municípios do distrito de Viseu foram afetados por incêndios que, além dos danos humanos e materiais, causaram um impacto profundo no património florestal e ambiental, provocando a degradação dos solos e tornando-os vulneráveis à erosão sobretudo por escorrências superficiais.

 

Pode ver também

Presépio de Natal com a representação do Castelo de Lamego

Há um presépio de grandes dimensões que celebra o nascimento de Jesus Cristo e que …

Comente este artigo