Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / Viseu: piloto do INEM recusou aterrar em campos de futebol

Viseu: piloto do INEM recusou aterrar em campos de futebol

O helicóptero do INEM que deveria ter transportado o homem de 50 anos brutalmente espancado em São João da Pesqueira recusou, por duas vezes, aterrar em campos de futebol mais próximos do local onde se encontrava a vítima, noticiou a SIC Notícias. O helicóptero acabou por ser desmobilizado antes de socorrer o homem, que morreu na ambulância.

As primeiras equipas de emergência a chegarem ao restaurante Sobreiro, no concelho de São João da Pesqueira, depois de agredido pelo ex-patrão quando lhe pediu o salário de 1.000 euros em atraso, no domingo à noite, alertaram que Mário Feição teria lesões graves na cabeça e abdómen.

Foi ativada uma ambulância e helicóptero do INEM de Moimenta da Beira, mas a ambulância não conseguiu entregar a vítima das agressões à equipa que seguia no helicóptero porque Mário Feição morreu durante a viagem que durou mais de meia-hora.

O piloto do helicóptero recusou aterrar no campo de futebol da Beselga, em Penedono, e no campo de futebol de Sernancelhe e propôs uma aterragem no heliporto certificado dos bombeiros de Aguiar da Beira.

Carlos Silva, presidente da Comunidade Intermunicipal do Douro, questiona o presidente do INEM se todos os lugares têm de ser certificados para receber um helicóptero e, se assim for, exige que se “certifique cada centímetro deste país”, para garantir que as localidades do interior conseguem ter acesso aos serviços de emergência.

O presidente do INEM diz que a decisão de aterragem cabe ao piloto.

A vítima acabou por morrer na ambulância que tentava chegar ao ponto de encontro com o helicóptero e o óbito declarado pelo médico que acompanhava Mário Feição. O helicóptero foi desativado, assim como a resposta que já estava preparada no Hospital de Vila Real.

O homem de 50 anos foi espancado brutalmente por um antigo patrão, de 30 anos, quando lhe exigiu que pagasse o salário de mil euros em dívida.

 

Pode ver também

Maior fábrica de Cinfães fecha portas, apesar dos apoios públicos

A fábrica de calçado Loped comunicou às suas trabalhadoras que iria “fechar as portas”. Apoios …

Comente este artigo