Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / Viseu Dão Lafões pede ao Governo isenção de portagens em alternativa ao IP3

Viseu Dão Lafões pede ao Governo isenção de portagens em alternativa ao IP3

A Comunidade Intermunicipal (CIM) Viseu Dão Lafões vai solicitar ao Governo a isenção de pagamento de portagens na ligação entre a A25 e a A1, devido ao corte no Itinerário Principal 3 (IP3).

“A CIM Viseu Dão Lafões solicita ao Governo a implementação de um mecanismo de isenção de pagamento de portagens no sentido de minimizar os efeitos do corte da circulação rodoviária, previsto para o IP3”, escreveu a CIM Viseu Dão Lafões, em comunicado.

O corte no IP3 está previsto acontecer a partir do dia 03 de março, por um período, “no mínimo de três semanas, entre o nó de Penacova (quilómetro 64,7) e o nó de Miró (quilómetro 62,4).

Este corte “vai condicionar fortemente a mobilidade dos cidadãos e empresas da região, contribuindo para um incremento de custos relevante, bem como para o aumento da insegurança nessas deslocações”.

“Pelo exposto, propõe-se que esse mecanismo contemple a isenção do pagamento de portagens, para residentes e empresas, com sede no território de Viseu Dão Lafões, entre o Nó de ligação de Mangualde (A25) e Coimbra Norte (A1), nos dois sentidos, durante o período em que irão decorrer as obras no IP3”, exigiu a CIM.

A Infraestruturas de Portugal (IP), explicou numa nota de imprensa, o que já tinha dito ao presidente da CIM Viseu Dão Lafões, Fernando Ruas, em dezembro de 2021.

“Estes trabalhos revestem-se de uma maior complexidade técnica e operacional, consistindo no desmonte de blocos de pedra de grandes dimensões”, o que obriga à “interdição total do trânsito de modo a garantir a rápida execução da intervenção e em totais condições de segurança”.

Durante as três semanas, a IP aconselha a utilização do Itinerário Complementar (IC) 2 até à Mealhada, passando pelo Luso, pela Estrada Nacional (EN) 234 em direção a Mortágua, seguindo pela Estrada Nacional 228 até ao IP3.

“Em alternativa, pode ser utilizada a Estrada da Beira (EN 17), passando por Vila Nova de Poiares até S. Martinho da Cortiça, saindo para o IC6, retomando o IP3 no nó da Raiva”, sugeriu a empresa.

A IP sublinhou que, apesar dos transtornos que este condicionamento possa provocar, ele “é imprescindível para garantir a rápida realização dos trabalhos e reposição dos níveis de serviço e segurança no IP3”.

 

Pode ver também

Câmara de Sátão promove combate à Vespa das Galhas do Castanheiro

O município de Sátão realizou 6 largadas do parasitoide Torymus sinensis, para combate à Vespa …

Comente este artigo