Home / Notícias / Viagem à Arménia dá ponto de partida para espetáculo-instalação em estreia em Viseu

Viagem à Arménia dá ponto de partida para espetáculo-instalação em estreia em Viseu

Uma viagem de Pedro Sousa Loureiro à Arménia foi o ponto de partida para o espetáculo “Online Distortion/Border Line(s)” que os Pato Bravo estreiam, sexta-feira, no Teatro Viriato, em Viseu.

“Online Distortion/Border Line(s)” é um espetáculo-instalação que parte do contraste cultural que Pedro Sousa Loureiro, responsável pela criação, direção e autoria, vivenciou quando, em setembro de 2019, realizou uma residência artística em três localidades arménias, com o objetivo de filmar um documentário.

Na Arménia, Pedro Sousa Loureiro contactou com o trabalho de artistas plásticas feministas, tendo também experienciado o “enorme confronto entre o rural e o urbano”, explicou o criador à agência Lusa.

“Online Distortion/ Border Line(s)” é, assim, segundo Pedro Sousa Loureiro, um trabalho que resulta das vivências que teve na capital Erevã e nas localidades rurais de Byurakan e Talin às quais juntou também o regresso a Portugal e a experiência que se seguiu com a eclosão da pandemia de covid-19.

Neste espetáculo, Pedro Sousa Loureiro relaciona aquelas questões com a obra da artista plástica norte-americana Cindy Sherman numa tentativa de abordar os conceitos de “feminidade, excentricidade e insólito”, questionando ainda se a realidade “é resultado da perceção ou da distorção”, acrescentou o artista à Lusa.

A ideia é que “o espectador seja convocado entre a ação teatral, a projeção em tempo real, que acontece ao mesmo tempo, e as videoinstalações que funcionam como premonições de situações que acontecerão a seguir”, explicou Pedro Sousa Loureiro.

“Online Distortion/Border Line(s)” resulta, assim, numa “narrativa não linear” ao dar a parecer ao espectador que os artistas estão sempre em “três realidades diferentes”. “Uma realidade de Arménia, uma realidade do aqui e uma realidade de uma busca de um futuro.

“Queres dar um salto quântico, ou ouvir tecno numa caravela à vela e andar a descobrir países?”, é uma das perguntas que os artistas lançam no espetáculo e que, segundo Pedro Sousa Loureiro, define o espetáculo que criou e dirige.

A peça, com criação musical e espaço sonoro de Francisco Barahona, conta ainda com filmagens e projeção em tempo real, que ampliam o tamanho dos corpos dos ‘performers’ e criarão uma diferença de escala.

A ideia é explorar os limites físicos e psicológicos, as disfunções e os contrastes, as diferentes relações hierárquicas e as lutas de egos, frisou Pedro Sousa Loureiro.

Interpretam “Online Distortion/Border Line(s)” Joana Cotrim, Marta Barahona Abreu, Pedro Sousa Loureiro e Susana Blazer.

O espetáculo é uma produção do coletivo Os Pato Bravo, em coprodução com o Teatro Viriato.

O espetáculo está em cena dias 16 e 17, no Teatro Viriato, e de 21 de julho a 01 de agosto será representado em Lisboa, na Casa do Capitão, Hub Criativo do Beato.

 

Pode ver também

Vários concelhos do distrito de Viseu em risco muito elevado de incêndio devido ao calor

Para esta quinta-feira, 18 de julho, o IPMA (Instituto Português do Mar e Atmosfera) prevê …

Comente este artigo