Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / Trabalhadores da Sonae Arauco em greve contra discriminações salariais

Trabalhadores da Sonae Arauco em greve contra discriminações salariais

Os trabalhadores do parque de madeiras da fábrica da Sonae Arauco em Mangualde cumprem uma greve de 48 horas a partir das 22:00 desta quarta-feira 16 de outubro, em protesto contra as “fortes discriminações salariais” de que dizem estar a ser vítimas.

Em declarações à agência Lusa, Luís Almeida, do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Cerâmica, Cimentos, Construção, Madeiras, Mármores e Similares da Região Centro, disse estarem em causa os diferentes aumentos salariais relativos a 2019, que foram em média de 200 euros para aos trabalhadores das prensas e da caldeira e se ficaram pelos 20 euros, em média, para as cerca de duas dezenas de funcionários do parque de madeiras.

“Eles sentem-se discriminados e, juntamente com o sindicato, têm feito reuniões com a administração. Os aumentos foram dados em março, com retroativos a janeiro, e temos vindo a negociar com a empresa desde maio. Na última reunião, em 30 de setembro, o administrador resolveu dar mais 14 euros de aumento, em troca de mais tarefas a realizar pelos trabalhadores”, explicou o dirigente sindical.

Segundo salientou, contabilizando os subsídios de turno e outros, proporcionais ao salário base, os trabalhadores do parque de madeiras “já estão a receber quase menos 400 euros do que os outros”.

“Sentiram-se discriminados e resolveram parar”, acrescentou.

Contactada pela agência Lusa, a administração da Sonae Arauco afirmou que “as reivindicações são de um grupo restrito de trabalhadores” e que “as diferenças salariais apontadas, referentes à unidade fabril, têm na sua base categorias profissionais distintas e requisitos técnicos de conhecimento que não são equiparáveis”.

Assegurando que “mantém a postura de diálogo que tem assumido em todo este processo”, a empresa refere que durante o período da greve “vai direcionar todos os esforços no sentido de mitigar os transtornos que possam ser causados”.

A este propósito, o sindicato destaca que são os trabalhadores do parque de madeiras que alimentam a caldeira, da qual depende o secador da madeira que depois segue para as prensas, antecipando por isso que “ao segundo dia a greve irá parar a empresa, pelo menos parcialmente”.

“A não ser que [a administração] substitua os trabalhadores em greve, mas vamos estar atentos e denunciar à ACT [Autoridade para as Condições do Trabalho] se o fizer”, rematou Luís Almeida.

A Sonae Arauco é uma empresa de painéis derivados de madeira.

 

Pode ver também

Queda de neve coloca Viseu sob aviso amarelo

Viseu vai estar na próxima sexta-feira, 4 de dezembro, sob aviso amarelo devido à previsão …

Comente este artigo