Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / Mensagem de Natal – D. António Luciano, Bispo de Viseu
D. António Luciano, Bispo da Diocese de Viseu

Mensagem de Natal – D. António Luciano, Bispo de Viseu

1. A esperança do Advento conduz-nos ao mistério do Natal e ao cumprimento das profecias anunciadas. Não temais, tende confiança, Jesus nasceu para nós!A Luz que brilhou na noite fria de Belém conduz os cristãos à contemplação do Menino que veio ao mundo para iluminar e salvar. Também nós peregrinos chegámos à Gruta de Belém e somos convidados a adorar e a contemplar a pessoa de Jesus, o próprio Deus, a fonte da vida e do amor, no mistério do Verbo que Encarnou e habitou entre nós, mistério insondável da Salvação, que estava escondido desde os tempos eternos.

2. Perante as dificuldades que vivemos neste período de pandemia do Covid-19, vírus que infetou tantas pessoas, levou milhares de doentes para os hospitais e tantos ficaram em isolamento nas suas casas, nos Lares, nas Santas Casas de Misericórdia e outras instituições, à espera de recuperar a saúde.A experiência de um estigma social visível na fragilidade e na vulnerabilidade provocam o medo de sermos todos infetados. Os profissionais de saúde e outros foram chamados a cuidar as feridas humanas, psicológicas e espirituais dos infetados, com grande sabedoria e altruísmo. O aumento de mortes levou a Igreja e a humanidade a ter mais sentimentos de compaixão, de oração, de amizade, de fortaleza, de proximidade e de resiliência.

3. O Natal revela-nos a vida nova, o Emanuel – o Deus Connosco – oferecido por Deus à humanidade: “Enquanto ali se encontravam, chegou o dia de ela dar à luz, e teve o seu Filho primogénito. Envolveu-O em panos e deitou-O numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na hospedaria” (Lc 2, 6-7).Jesus sentiu-se um excluído da sociedade, do seu povo. Identificou-se verdadeiramente com os pobres e os marginalizados da sociedade. Só os pastores deram conta da sua presença em Belém, venceram a indiferença e escutaram o cantar dos anjos: “Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens que Ele ama” (Lc 2, 14). Partiram apressadamente e encontraram um Menino deitado numa manjedoura, na companhia de Maria, sua Mãe, e de São José.

4. O tempo do Natal é, por excelência, o tempo da vida nova, que cria verdadeiras relações familiares, de amizade e de fraternidade social. Contemplemos o Senhor da vida, da história e da família, e digamos: “Bom dia”! “Boa tarde”! “Boa noite”!O acolhimento de Jesus na nossa vida leva-nos a tecer a manta da confiança e da esperança, que nos abriga do frio, da tristeza e da solidão que se abateram sobre as nossas aldeias, vilas e cidades, onde a pobreza envergonhada começa a chegar.A humanidade esqueceu-se de Deus e ignora a Sua presença. No meio de imensas dificuldades, procura reconstruir a vida, ignorando os fios das palavras, dos gestos, dos afetos, do diálogo e do amor que enchem de ternura e compaixão a nossa identidade cristã.

5. Precisamos de semear a esperança cristã e de fazer nascer em cada pessoa e em cada família a alegria, a ternura, a luz e a beleza do amor que irradiou na noite de Belém.A pandemia desmascarou a vida humana e mostrou-nos as suas fragilidades e vulnerabilidades, mas agora é preciso apontar a todos um horizonte de fé, de esperança e de caridade.– Aos pais, crianças, adolescentes, jovens, adultos, idosos, doentes e infetados pelo Covid-19– Aos governantes, autoridades públicas, civis, militares, sanitárias, administrativas, judiciais, prisionais– Aos administradores dos hospitais, gestores dos centros de saúde, lares, misericórdias, e com uma palavra de gratidão aos médicos, enfermeiros, assistentes operacionais e voluntários– Aos empresários, gestores, trabalhadores, empregados, desempregados, professores, alunos, funcionários públicos e outros profissionais– Aos homens e mulheres da Proteção Civil, Bombeiros, Cruz Vermelha, GNR, PSP, Polícia Municipal e outros servidores do bem comum– Aos cristãos e agentes da pastoral, responsáveis de estruturas diocesanas, de serviços e movimentos, aos crentes de outras religiões e pessoas de boa vontadeA todos desejo um Santo Natal de Jesus e um feliz Ano Novo de 2021.

6. A ajuda aos pobres, a defesa dos inocentes, a proteção aos perseguidos, aos que sofrem, reclama de todos o respeito pelos direitos humanos, pelos valores universais: o amor, a justiça, a tolerância, a fraternidade, a solidariedade, a partilha e a paz. O respeito por cada pessoa e pelos povos que sofrem a violência, a guerra, a opressão, a exclusão social, ou a morte, como acontece em Cabo Delgado, em Moçambique, na Síria, no Líbano, na Nigéria e em tantos países onde é preciso fazer acontecer o Natal de Jesus. Destruindo as trevas, façamos brilhar a luz, na justiça e na paz.As dificuldades, provocadas por esta tempestade, afetam a barca que navega num mar agitado, onde falta aos tripulantes a força para remar contra ventos adversos. Diante desta crise sem precedentes, o imperativo ético fala mais alto da partilha com a Cáritas, IPSS e outras Instituições carecidas de ajuda.

7. O Natal cristão está ainda longe de atingir a sua meta, pois o mistério da Encarnação ainda não foi verdadeiramente assumido por nós. O ideal evangélico da família de Jesus, Maria e José, é ainda um sonho por concretizar. Neste ano dedicado a São José, no “150º Aniversário da Declaração de São José como Padroeiro Universal da Igreja”, queremos pedir-lhe para ajudar as nossas famílias a viverem o espírito da Sagrada Família de Nazaré no testemunho de vida, de trabalho, de oração e de serviço.

Em tempo de pandemia, com sérios riscos de aumentar o número de infetados, as celebrações festivas desta quadra serão vividas de acordo com as orientações pastorais da “Nota da Conferência Episcopal Portuguesa”, com data de 9 de dezembro, e no cumprimento das normas emanadas pelo Governo Português e pela Direção Geral de Saúde.

Não tenhamos medo de ir à Igreja e participar nas celebrações festivas do Natal. Jesus espera por todos nós e conta connosco na construção de um mundo melhor.Não sendo permitido o rito do beijar ou tocar o Menino Jesus, podemos no final da Celebração da Eucaristia, fazer um ato de adoração, acolhendo o Salvador do mundo. Rezemos pela paz, pelo fim da pandemia e pela santificação das famílias. Jesus nasceu para nós! Ele precisa de mim, de ti, para nascer no coração de muitos irmãos.Desejo aos cristãos e a todas as pessoas de boa vontade um Santo Natal de Jesus e um Novo Ano de 2021 cheio das maiores bênçãos e graças de Deus.

António Luciano dos Santos Costa, Bispo de Viseu

 

Pode ver também

Prisão preventiva para detido por violência doméstica em Castro Daire

Um homem, de 41 anos, residente no concelho de Castro Daire, no distrito de Viseu, …

Comente este artigo