Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / Infraestruturas de Portugal investe 4,4 ME na reabilitação da ponte da Ferradosa na Linha do Douro
Fotografia mapio.net

Infraestruturas de Portugal investe 4,4 ME na reabilitação da ponte da Ferradosa na Linha do Douro

A Infraestruturas de Portugal (IP) anunciou hoje o início das obras de reabilitação do viaduto e ponte da Ferradosa, na linha ferroviária do Douro, num investimento de 4,4 milhões de euros.

A intervenção decorrerá nos quilómetros 150,064 e 151,239 da Linha do Douro, entre Carrazeda de Ansiães (Bragança) e São João da Pesqueira (Viseu) e, segundo a IP, visa “garantir a segurança das obras de arte e o seu adequado funcionamento estrutural”.

A empresa explicou, em comunicado, que a ponte possui uma extensão total de 570 metros e que o tabuleiro é constituído por três estruturas distintas: duas estruturas de acesso, uma em cada margem, realizadas em betão armado, e uma estrutura central realizada em treliça metálica.

A intervenção prevista inclui trabalhos como o encamisamento (revestimento usado para reforçar a estrutura) de todos os fustes dos pilares da ponte, a substituição dos aparelhos bloqueadores da ponte, bem como dos aparelhos de apoio dos tramos metálicos da ponte, a fixação dos tramos de margem nos encontros, por intermédio de elementos fusíveis, a reabilitação dos aparelhos de apoio dos tramos de margem e a reparação de betão delaminado na face inferior do tabuleiro do viaduto.

A ponte da Ferradosa permite o atravessamento ferroviário do rio Douro e foi construída em 1980, na sequência do Aproveitamento Hidroelétrico da Valeira (barragem da Valeira), tendo substituído uma ponte centenária datada de 1887, localizada a montante, constituída por tabuleiro metálico apoiado em pilares de alvenaria de granito.

Lusa

 

Pode ver também

Ministra da Defesa Nacional acompanha em Viseu atividades de divulgação das Forças Armadas

Programa contará também com a presença do Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas e do …

Comente este artigo