Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / CPCJ de Tondela implementa plano com base na auscultação dos mais novos

CPCJ de Tondela implementa plano com base na auscultação dos mais novos

O presidente da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) de Tondela anunciou que vai ser implementado um plano que teve como base a auscultação dos mais novos que se queixam de não serem ouvidos.

“O que mais nos pediram, ao longo dos últimos dois anos, foi sobretudo para serem ouvidos, foi o mais frequente e temos imensos relatos e inquéritos, com isso. Dizem que não são compreendidos e nem sequer são ouvidos, que não têm direito a palavra”, afirmou, em declarações à agência Lusa, Márcio Santos.

O presidente da CPCJ de Tondela acrescentou que o lamento lhes chegou “dos mais diversos contextos, desde o familiar, porque acham que os pais não os ouvem, ao escolar, onde têm de cumprir as regras, mas ninguém ouve a sua opinião e sugestões, não são tidos nem achados”.

Esta auscultação serviu para elaborar o Plano Local de Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e Jovens, inserido no Projeto Adélia, que é de cariz nacional e irá para o terreno agora, por um período de quatro anos.

“Somos das primeiras CPCJ a ir para o terreno implementar o plano que foi desenvolvido nestes últimos dois anos e que passou pela auscultação das crianças e jovens, das famílias, instituições e entidades do território” de Tondela, sublinhou.

A comissão delineou “o plano local que assenta em quatro eixos: comunidade, crianças e jovens, famílias e inovação social”, porque foram “os campos identificados para trabalhar agora, a montante, para evitar problemas no futuro”.

“Sempre com a criança e o jovem como o centro de todo o nosso trabalho, no eixo da comunidade. A ideia é trabalhar com as mais diversas instituições que diariamente têm um papel de interação com as crianças”, explicou.

A título de exemplo falou nas escolas, centros de saúde, igrejas ou mesmo GNR, onde vão “sensibilizar e desenvolver um conjunto de boas práticas que devem ser usadas quando interagem com os menores, quer pela forma como são acolhidos como atendidos”.

“Desde o espaço onde isso acontece até à forma como é feito. Por exemplo, na GNR, se a criança ou jovem é atendido na mesma sala onde é um adulto ou até um criminoso. No fundo, queremos implementar boas práticas”, exemplificou.

No eixo das crianças e jovens, o trabalho passa por “incentivá-los a participar mais na comunidade, porque, apesar de hoje se falar muito nisto, na prática, ninguém as ouve”.

“Se calhar, quando é feito um parque infantil, ninguém se lembra de ouvir as crianças e perceber o que é que elas precisam ou gostavam de ver no espaço”, apontou.

Na família, a CPCJ vai “trabalhar junto dela, na sua capacitação e na promoção da parentalidade positiva” o que, em termos práticos, vai fazer com que haja “algumas ações junto dos pais e também avós, que muitas vezes são o suporte de retaguarda das crianças”.

“A inovação social também passa muito por dar voz às crianças, muito até na ótica das novas tecnologias, do digital, aproximá-las da comunidade com o recurso de alguns equipamentos e até aplicações que lhes são mais próximas e que podem ser motivadoras para a participação na comunidade”, sustentou.

Com uma média de 60 casos sinalizados ao ano, Márcio Santos afirmou que “o número não tem vindo a aumentar, mas tem vindo a alterar a tipologia dos casos” e, “se há uns anos a violência doméstica não estava nos principais casos, agora é a principal sinalização”.

“Está a aumentar, sobretudo neste contexto de pandemia, com as famílias em casa, em que foi bastante evidente e a maior parte dos casos chega-nos pelas autoridades policiais. Mas há outro que nos começa muito a chegar também, que é a questão da exposição dos menores nas redes sociais e do contacto com os adultos”, alertou.

Por isso, justificou, o plano local também incide “em trabalhar a comunidade e as crianças e jovens a montante para que no futuro apareçam os resultados”, na perspetiva de “ser a própria comunidade a se autorregular”.

“Ao trabalharmos agora, acreditamos que podemos evitar que algumas situações cheguem a um estado limite em que as crianças acabam por nos chegar numa ótica de reparar o erro nas mais diversas situações como de violência doméstica ou até no comportamento em espaços públicos que, cada vez mais são até um bocadinho assustadores”, defendeu.

 

Pode ver também

Autarquia de Santa Comba Dão atribui mais de 120 mil euros a associações

A Câmara de Santa Comba Dão vai apoiar este ano vinte associações com expressão concelhia …

Comente este artigo