Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / Autárquicas: Distrital do PS de Viseu diz que o assalto ao ‘cavaquistão’ se deu em Resende
José Rui Cruz, presidente da Federação distrital do PS Viseu

Autárquicas: Distrital do PS de Viseu diz que o assalto ao ‘cavaquistão’ se deu em Resende

Os autarcas de Resende e Lamego foram este sábado anfitriões da deslocação do Secretário-geral socialista, António Costa, que está a efetuar um périplo de apoio aos candidatos do PS às eleições autárquicas do próximo dia 26 de setembro, ocasião que serviu para evocar a consolidação do Partido Socialista no mapa autárquico do distrito de Viseu.

“Há 20 anos, o nosso adversário em Resende, o PSD, tinha cerca de 70% dos votos (…) e o PS ganhou a câmara. Foi, há 20 anos, a partir de Resende que assaltámos o ‘cavaquistão’ e criámos esta mancha ‘cor de rosa’ aqui à volta”, começou por destacar o presidente da Federação distrital do PS, José Rui Cruz.

O líder da distrital de Viseu falava em Resende ao final da tarde de sábado, onde António Costa marcou presença para apoiar a recandidatura do atual presidente da câmara, Manuel Garcez Trindade.

Na sua intervenção, o Secretário-geral do PS e também primeiro-ministro afirmou que, apesar “do muito que já foi feito”, o que o motiva é sempre “fazer mais e melhor”, voltando a insistir na importância, para as escolhas do país, do novo mandato autárquico que vai sair destas eleições.

Destacando, em particular, a importância das ligações rodoviárias que vão servir o interior Norte, António Costa realçou, entre os investimentos contemplados no Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), a concretização de “estradas muito importantes para localidades” como a de Resende.

“Com estas curvas que impõem e convidam o turista à clama e contemplação da maravilhosa paisagem do vale do Douro, mas se é bom para o turista, não é seguramente bom para quem cá vive e que todos os dias precisa de circular para trabalhar e ter aqui empresas e gerar emprego”, ilustrou, lembrando que Resende teve um “grande aliado” no PS que “lutou e insistiu” para que a ligação entre Resende e Baião estivesse contemplada no PRR.

“Não foi fácil, mas felizmente com muita persistência, muita insistência, muita negociação e muita demonstração da realidade dos factos, a verdade é que a Comissão Europeia acabou por aprovar e esta estrada vai mesmo ser feita e vamos desencravar este território”, sublinhou.

O autarca e candidato socialista, Garcez Trindade, reiterou, por seu lado, que “o PS devolveu a Resende o que outros tiraram”, citando também, por ação do Governo socialista, a reabertura do tribunal e do serviço de urgências noturnas no centro de saúde.

Retoma no país precisa da competência e compromisso dos autarcas do PS

Em Lamego, onde testemunhou também um caloroso apoio popular, o Secretário-geral do PS congratulou-se com o momento de viragem que o país está a iniciar, elogiando “o trabalho único e excecional dos profissionais de saúde” para o sucesso do processo de vacinação e do combate à pandemia, assim como a “fantástica e extraordinária adesão da generalidade dos portugueses”.

Também os autarcas, segundo António Costa, foram fundamentais nesta pandemia, “a apoiar as famílias que ficaram isoladas, aquelas que perderam rendimentos ou emprego, a apoiar as empresas locais para que a economia local sobrevivesse”. Foi esse trabalho, como sublinhou, que permitiu a Portugal a retoma económica a que se assiste, “com um crescimento que é dos mais fortes da Europa” e o desemprego “felizmente ao nível inferior” ao que se verificava antes da pandemia.

“Neste momento em que a viragem se aproxima, mais do que nunca é fundamental olharmos de novo para o futuro com confiança e dizer: nós precisamos em cada freguesia e em cada município de autarcas como Ângelo Moura”, afirmou, num elogio ao atual presidente da Câmara de Lamego.

António Costa reiterou ainda, na sua intervenção, a importância próximo mandato autárquico, quando estará “em pleno vigor” o reforço das competências e de recursos dos municípios “para melhor servirem as suas terras, as suas populações, em vários domínios”.

 

Pode ver também

Festival Outono Quente, de Viseu, privilegia artistas locais e nacionais

Duas companhias internacionais, 14 nacionais e 17 locais, num total de 80 artistas, animam de …

Comente este artigo