Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / Assembleia Municipal de Nelas aprova contas com prejuízo de 1,6 ME e dívida de 17,6 ME
1280

Assembleia Municipal de Nelas aprova contas com prejuízo de 1,6 ME e dívida de 17,6 ME

A Assembleia Municipal de Nelas aprovou as contas de 2021, que apresentaram um prejuízo de 1,6 milhões de euros e uma dívida de 17,6 milhões de euros, anunciou a autarquia.

Através da rede social Facebook, o executivo presidido por Joaquim Amaral (PSD) informou que apresentou as contas “no respeito pela lei e pelo princípio democrático da gestão autárquica, mesmo não concordando com as opções tomadas pelo anterior executivo”, que “mereceram e merecem críticas”.

Segundo a autarquia, o resultado líquido do exercício negativo de cerca de 1,6 milhões de euros perpetua “o ciclo do anterior executivo do PS, com gastos acima dos rendimentos e que levaram à grave situação financeira em que a autarquia se encontra, limitando a mesma a serviços mínimos e sem liquidez necessária para satisfazer a todas as necessidades das populações”.

Durante os oito anos de governação do PS, “a autarquia acumulou prejuízos de 5,5 milhões de euros, a dívida contratada e em provisões atingiu no final de 2021 mais de 17,6 milhões de euros”.

A estes números acresce o facto de a “baixa taxa de execução global quer na despesa, quer na receita”, referiu, explicando que, “dado que a execução se situa abaixo dos 85% pelo segundo ano consecutivo, o município será alvo de um alerta por parte da DGAL [Direção-Geral das Autarquias Locais] que lhe poderá trazer penalizações”.

A autarquia lamentou que, em 2021, todos os indicadores económico e financeiros tenham registado “um significativo agravamento face a 2020, nomeadamente a liquidez imediata, que reduziu drasticamente”.

Além da “falta de cálculo dos fundos disponíveis”, apontou como exemplo de “má gestão” o “aumento do prazo médio de pagamentos que, de acordo com os documentos apresentados, foi de 136 dias, ultrapassando o limite previsto na lei”.

“Os documentos de prestação de contas do município espelham as dificuldades e constrangimentos financeiros a que a autarquia está sujeita, não correspondendo os cenários fantasiosos referidos pelos executivos do PS, que apregoavam a boa saúde financeira das contas da autarquia”, concluiu.

Atendendo a esta “pesada e difícil herança”, o executivo admitiu que “não tem muita margem de manobra financeira” e que terá de tomar medidas para garantir a sustentabilidade do município, “sem descurar a concretização de projetos e atividades” no concelho.

Na Assembleia Municipal, as contas foram aprovadas com sete votos a favor (seis de deputados do PS e do presidente da Junta da União de Freguesias de Santar e Moreira) e 16 abstenções. Na Câmara, tinham sido aprovadas com dois votos a favor de vereadores do PS e cinco abstenções (quatro dos vereadores do executivo e um da vereadora do PS).

 

Pode ver também

Câmara de Sátão promove combate à Vespa das Galhas do Castanheiro

O município de Sátão realizou 6 largadas do parasitoide Torymus sinensis, para combate à Vespa …

Comente este artigo