Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / “António Pedro Reafirmou que era uma ficção” – Almeida Henriques

“António Pedro Reafirmou que era uma ficção” – Almeida Henriques

Continua a polémica acerca do filme “Amor Impossível” rodado no concelho de Viseu e, desde 24 de dezembro é exibido nos cinemas de todo o país.

O Ministro da Cultura João Soares no seu discurso na apresentação da programação do I centenário do Museu Nacional Grão Vasco teceu elogios ao realizador do filme, António Pedro Vasconcelos pelo excelente filme que realizou.

Após a apresentação do programa do I centenário do museu situado em Viseu, os jornalistas questionaram o Ministro da Cultura, João Soares acerca da polémica que opõe Paula Fulgêncio, Mãe de Joana Fulgêncio e o realizador do filme.

O governante referiu que não conhecia nenhuma polémica e referiu que Almeida Henriques, presidente da Câmara Municipal de Viseu poderia conta-la se quisesse, mas referiu que o filme é uma ficção.

Já o autarca viseense que se encontrava ao lado do governante referiu que “António Pedro reafirmou que era uma ficção”.

Ao que a Alive FM apurou, Paula Fulgêncio, Mãe de Joana Fulgêncio, jovem que foi assassinada pelo namorado, David Saldanha, em novembro de 2009 em Viseu, refere na sua página do Facebook que  o realizador usou a história da filha para a realizar.

Na sua cronologia refere:

Esse filme é o relato da vida e tragédia que aconteceu à minha filha, mas filme esse que eu não autorizei“.

Paula Fulgêncio deu a entender a António Pedro Vasconcelos que não permitia a rodagem e exibição de “Amor Impossível”, pois não se encontrava preparada para rever toda a tragédia.

A Mãe de Joana Fulgêncio afirma ainda que:

É imperdoável e desumano que esse realizador, movido pela ganância do dinheiro e ‘poder’, tenha ignorado a minha decisão e avançado com as gravações

Na sua cronologia refere que este caso será julgado e que irá “até às últimas consequências”

Paula Fulgêncio também mostrou a sua indignação por o realizador ter afirmado numa entrevista que a história deste filme foi “toda imaginada por ele e que tinha escolhido Viseu para gravar por mero acaso”.

A Mão de Joana Fulgêncio que não fala com os órgãos de comunicação social tem utilizado a rede social Facebook, onde na sua cronologia tem mostrado a sua indignação como pode ver o texto e imagem abaixo

vende

“VENDO Á MELHOR OFERTA:

ISTO DE VIVER EM SOCIEDADE SEM VALORES MORAIS E SEM DECÊNCIA, PENSANDO APENAS NOS SEUS BENEFICIOS, TEM AS SUAS CONSEQUÊNCIAS, POR ESSA RAZAO E

TENDO EM CONTA QUE TUDO VALE A TROCO DE RIQUEZA, VENDO PRODUTO EXCLUSIVO A QUALQUER INTERESSADO, INCLUÍNDO ESTAÇOES DE TELEVISAO, JORNAIS, REVISTAS, ETC…

O ARTIGO É OS E MAILS TROCADOS COM O “realizador mas pouco” ANTÓNIO PEDRO VASCONCELOS E AINDA, AS CONVERSAS GRAVADAS NA FUNÇAO “AUTOMATIC CALL RECORD” DO MEU TELEMOVEL COM A INTERMEDIÁRIA E FUNCIONARIA DA TVI GLÓRIA MIRALDES.

IMFORMO QUE QUALQUER SEMELHANÇA DO MEU ANUNCIO, COM ALGUM DISLATE CINÉFILO, É APENAS MERA CONHECIDÊNCIA ATÉ PORQUE EU NAO PAGO COM A MESMA MOEDA, FRANCOS SUIÇOS É MUITO MAIS CHIQUE !!” (este é o texto original que se encontra na cronologia).

Deixamos o sinopse e o trailer de “Amor Impossível” do realizador, António Pedro Vasconcelos.

Sinopse

Cristina (Victória Guerra) desapareceu. Tiago (José Mata), o seu namorado, afirma que ela foi raptada, mas é uma história em que Madalena (Soraia Chaves) e Marco (Ricardo Pereira), os dois investigadores da Policia Judiciária responsáveis pelo caso, têm dificuldade em acreditar. Ao seguir as pistas que antecederam o crime, “Amor Impossível” caminha entre duas narrativas paralelas: – a de Cristina, uma jovem que busca um amor total e sem limites; – e a de Madalena, uma mulher que, ao investigar o desaparecimento, é confrontada com as insuficiências da sua própria relação.

Trailer

 

Pode ver também

Grupo ORPEA vai abrir uma Residência Sénior em Viseu

Vai abrir, no centro de Viseu, uma nova Residência Sénior ORPEA, constituída por três unidades …

Comente este artigo