Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / Trabalhadores da Misericórdia de Viseu exigem melhoria de salários

Trabalhadores da Misericórdia de Viseu exigem melhoria de salários

Meia centena de trabalhadores da Santa Casa da Misericórdia de Viseu concentrou-se hoje e exigiu a melhoria dos salários e das condições de trabalho, considerando que, nos últimos anos, os seus direitos têm sido reduzidos.

No jardim em frente à sede da instituição, os trabalhadores gritaram frases que resumem as suas reivindicações: “lutar, lutar, lutar, até os salários aumentar”, “queremos novos salários na Misericórdia de Viseu” e “diuturnidades para já e sem demora”.

Para hoje foi convocada uma greve a todo o período do trabalho que, segundo Afonso Figueiredo, do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Centro, está a ter uma adesão de 100%, sendo cumpridos apenas os serviços mínimos.

O dirigente sindical disse aos jornalistas que “80% dos trabalhadores ao serviço da Misericórdia de Viseu auferem apenas o salário mínimo nacional”, o que entendem ser “uma situação insustentável e que tem de ser revista”.

Os trabalhadores querem também a valorização da antiguidade, porque aqueles que trabalham “há 30 anos ou há 30 dias auferem precisamente o mesmo valor, o salário mínimo nacional”, acrescentou.

Afonso Figueiredo considerou que, ao longo dos últimos anos, os trabalhadores têm visto os seus direitos reduzidos, porque “perderam a majoração nas férias, dos 23 para os 22 dias”, e “viram reduzido o pagamento do acréscimo do trabalho em dia de feriado de 100% para 50%”.

O caderno reivindicativo apresentado à Santa Casa da Misericórdia de Viseu em novembro de 2018 previa aumentos salariais de 40 euros, a implementação de diuturnidades, 25 dias de férias e a melhoria das condições de trabalho.

No entanto, o provedor da Santa Casa da Misericórdia de Viseu, Adelino Costa, “manifestou-se indisponível para negociar esta proposta e os trabalhadores não aceitam esta posição”, contou Afonso Figueiredo.

O dirigente sindical disse aos jornalistas que os trabalhadores hoje concentrados são essencialmente da Residência Rainha D. Leonor e do infantário Nossa Senhora de Fátima, mas que os restantes também se reveem na proposta.

“Se a Misericórdia não se sentar para, em conjunto, encontrarmos soluções, os trabalhadores vão convocar novas formas de luta”, garantiu.

A revolta de Fernanda Fernandes, que trabalha há 24 anos na Residência Rainha D. Leonor, resulta do facto de “nem o senhor provedor, nem a direção, darem valor às funcionárias que têm”.

“A nossa indignação é estarmos todas no mesmo patamar”, disse, por seu turno, Rute Cálice, que trabalha há 16 anos na residência e defende que os salários deviam ser aumentados “principalmente às pessoas mais velhas”, que ensinam as que vão chegando e levam “o barco para a frente”.

Adelino Costa admitiu aos jornalistas a justeza da greve, porque os trabalhadores “ganham pouco”.

No entanto, lembrou que existe um contrato coletivo aprovado na sequência de negociações entre a União das Misericórdias e as centrais sindicais.

“Não consideramos justo que agora um sindicato que faz parte de uma das centrais sindicais venha, por si só, pedir novas reivindicações, com situações verdadeiramente inaceitáveis”, afirmou.

Segundo o provedor, essas reivindicações “poriam em causa a sustentabilidade da instituição”.

“Não é possível pedir indiscriminadamente para todos os trabalhadores um valor como é uma das propostas, aumentar o número de férias, reduzir o número de horas, considerar diuturnidades, num contexto que os trabalhadores sabem difícil”, frisou.

Lusa

 

Pode ver também

Viseu na “mira” da Unidade de Ação Fiscal na sequência da operação “Ouro Verde”

Quatro pessoas foram detidas na terça-feira por crimes de fraude fiscal no valor de cinco …

Comente este artigo