Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos alerta falta de médicos

Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos alerta falta de médicos

A Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM) alertou para o facto de o Centro de Saúde de Vouzela, no distrito de Viseu, funcionar sem médicos em alguns dias durante a semana.

“Há dias sem médico de família, uma vez que os profissionais estão de serviço nas quatro extensões, deixando desfalcada qualquer resposta aos milhares de utentes da vila de Vouzela”, denuncia a (SRCOM) em comunicado enviado à agência Lusa.

Segundo aquele organismo, “nalguns dias da semana, durante o dia, a unidade de saúde não tem qualquer médico, colocando em perigo os utentes e criando uma sensação de falsa segurança”.

Citado no comunicado, o presidente da SRCOM denuncia que “foram reportadas à Ordem dos Médicos situações de emergência durante esse período que necessitariam de intervenção médica antes de poderem ser encaminhados para uma urgência básica ou médico-cirúrgica”.

Carlos Cortes salienta que, estamos a deixar sem resposta a população já muito martirizada. É imoral vestir as vestes da solidariedade e depois tratar os utentes desta forma.

“O Ministério da Saúde não pode ter um discurso oficial em que finge apoiar as populações do interior e depois ter uma actuação completamente contrária”, refere Carlos Cortes.

Para o responsável, que já comunicou a situação ao Agrupamento de Centros de Saúde (ACeS) Dão Lafões e à Administração Regional de Saúde do Centro, “diz que é desumano estar a mentir aos utentes, fazendo crer que existe um serviço que na verdade não têm”.

Para evitar esta situação “anómala”, aconselha os utentes a informarem-se sobre quais os dias em que não existe apoio médico durante o dia.

Carlos Cortes salienta que “O Centro de Saúde de Vouzela, está dotado de excelentes condições físicas e de profissionais dedicados e empenhados, já tivera inclusivamente um serviço de radiologia que encerrou por falta de recursos humanos e materiais”.

Carlos Cortes considera que o caso de Vouzela é “mais um exemplo incompreensível de má gestão”, em que um Centro de Saúde tem todas as condições para albergar um atendimento mais diferenciado de urgência, “mas as instalações não foram aproveitadas, deixando espaços e salas hoje completamente vazias e subaproveitadas”.

A unidade tem cerca de 12 mil utentes inscritos e integra o ACeS Dão Lafões.

 

Pode ver também

Câmara de Nelas lança empreitada para a construção da ETAR na Zona Industrial

Está em curso o lançamento da empreitada para a construção de uma nova ETAR na …

Comente este artigo