Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / Nove anos de prisão efectiva para mulher acusada de burlar cidadãos franceses

Nove anos de prisão efectiva para mulher acusada de burlar cidadãos franceses

As quatro pessoas acusadas de sequestro e burla a cidadãos franceses foram condenadas no Tribunal de Viseu a penas de prisão efetivas entre os nove e os quatro anos e a uma multa de 1.500 euros.

A arguida Fernanda Costa, de 44 anos, foi condenada em cúmulo jurídico a nove anos de prisão efetiva, o arguido Rúben Costa, seu filho, de 23 anos, a quatro anos e seis meses de prisão efetiva, tal como Jean Claude Etcheberry, o amigo francês de 64 anos.

Para o marido da arguida, François Lopes, de 49 anos, que se encontrava sob termo de identidade e residência, o Tribunal de Viseu decretou uma pena de multa de 150 dias a 10 euros a diária, ou seja, 1.500 euros.

Do processo constavam quatro ofendidos, todos de nacionalidade francesa e já com alguma idade, que tinham vindo para Portugal com a promessa, por parte da arguida, de receberem cuidados e acompanhamento e, uma vez chegados a Viseu, eram burlados.

Das “cerca de duas dúzias de crimes de que eram acusados” os quatro arguidos, “foram provados dois dos três crimes mais graves de que estavam acusados, burla qualificada e sequestro, não tendo sido provado o crime de associação criminosa”, explicou o advogado de defesa do casal no final da leitura do acórdão.

O advogado, Filipe Matos Figueiredo, fez saber que vai recorrer da sentença.

“A condenação de François Lopes acabou por ser muito ligeira, acabou por ser uma agradável surpresa. Em relação à arguida Fernanda [Costa] a pena é severa e, por essa razão, iremos recorrer”, disse, adiantando que vai “analisar corretamente o acórdão” que tem 144 páginas e que foi lido de “forma resumida” no tribunal.

Fernanda Costa continua assim em prisão preventiva, onde está desde 20 de outubro de 2017, que, “tendo em conta a extrema complexidade” do caso, foi alargada, terminando o prazo em 20 de fevereiro de 2021.

Em prisão preventiva com efeitos imediatos ficou também Jean Claude Etcheberry, que estava sujeito a termo de identidade e residência, por o tribunal entender que “há perigo de fuga, perigo de continuidade de atividade criminosa, por se deslocar frequentemente entre França e Portugal, por ter nacionalidade francesa e não ter em Portugal qualquer tipo de inserção social, familiar ou profissional”.

O cidadão francês tem antecedentes criminais, “tendo já estado preso em França por crimes semelhantes”.

O filho, Rúben Lopes, mantém-se em prisão efetiva, uma vez que já cumpria pena por um outro processo, tendo o Tribunal hoje esclarecido que “os relatórios psicológicos o consideraram psicopata” e “psicopata não é considerado doença, mas sim falta de empatia relativamente aos demais”.

 

Pode ver também

Desportiva de Sátão quer lutar pelos primeiros lugares do campeonato

No arranque de mais uma época de futebol do Campeonato Distrital da Divisão de Honra …

Comente este artigo