Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / Local / Município quer trazer combatentes que morreram no Ultramar

Município quer trazer combatentes que morreram no Ultramar

Para além de ser o Dia da Liberdade no nosso país, o 25 de abril, foi o dia do fim da guerra da ultramar que teve o seu inicio em 1961, onde os jovens eram obrigados a combater em Angola, Moçambique e Guiné Bissau, muitos deles morreram, sendo que alguns ficaram sepultados nos países africanos, pois as famílias não tinham dinheiro para custear a transladação para o país.

Em entrevista à Alive FM, Alexandre Vaz, presidente da Câmara Municipal de Sátão referiu que desconhecia a existência de custos da transladação e sublinhou que morreram 18 combatentes do concelho de Sátão.

O autarca satense referiu que dos 18 combatentes do concelho que faleceram, 2 encontram-se em parte incerta e frisou que o estado central devia suportar as despesas.

Cada transladação pode chegar aos 2000 euros, trabalho que o município de Sátão irá realizar e já conta com o pedido de uma família, esperando que a Liga dos Combatentes ajude neste processo.

Alexandre Vaz destaca que é uma obrigação da Câmara Municipal de Sátão realizar este trabalho.

Os combatentes do concelho de Sátão que estiveram no ultramar terão uma homenagem no dia 20 de agosto.

 

Pode ver também

GNR de Viseu transportou 28 órgãos em 2017 e percorreu 4.500 quilómetros

A Guarda Nacional Republicana foi condecorada com a Medalha de Serviços Distintos Grau Ouro do …

Comente este artigo