Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / Meios de combate a incêndios reforçados a partir deste domingo
Foto Lusa

Meios de combate a incêndios reforçados a partir deste domingo

Os meios de combate a incêndios vão ser reforçados a partir deste domingo, passando o dispositivo a estar na sua capacidade máxima, com um total de 10.767 operacionais e 55 meios aéreos, segundo a Diretiva Operacional Nacional (DON).

A DON, que estabelece o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR) para este ano, indica que os meios são reforçados este domingo pela terceira vez este ano com a entrada em vigor do agora denominada “reforçado – nível IV”, que termina a 30 de setembro.

Nos próximos três meses, vão estar operacionais 10.767 elementos e 2.463 veículos dos vários agentes presentes no terreno e 55 meios aéreos. Aquele que é considerado o nível mais crítico de incêndios mobiliza, este ano, mais 1.027 operacionais, 398 viaturas e sete aparelhos do que em 2017. Integram o dispositivo elementos dos bombeiros voluntários, da Força Especial de Bombeiros, do Grupo de Intervenção Proteção e Socorro e do Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente da GNR, além dos sapadores florestais.

Também a partir de domingo a Rede Nacional de Postos de Vigia vai ser reforçada com a entrada em funcionamento da rede secundária com um total de 230 postos de vigia e 920 vigilantes das florestas.

Os 230 postos de vigia que têm como missão prevenir e detetar incêndios vão estar a funcionar até 15 de outubro, altura em que voltam a ser reduzidos para 72 até 06 de novembro.

Este ano, as fases de combate a incêndios foram substituídas por níveis de prontidão, passando o dispositivo a estar permanente ao longo do ano e reforçado entre 15 de maio e 31 de outubro.

Este ano, o maior reforço de meios acontece nos meses de junho e outubro, quando se registaram os maiores incêndios de 2017 que provocaram 116 mortos, mas continua a ser entre julho e setembro, conhecida pela fase mais crítica de incêndios, o período que mobiliza o maior dispositivo.

Depois dos incêndios de 2017, o Governo apostou na profissionalização nos corpos de bombeiros com a criação de mais Equipas de Intervenção Permanentes (EIP), estando já em permanência nos quartéis de bombeiros 262 EIP, compostas por 1.324 elementos profissionais.

Também os Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS) da GNR aumentaram com a entrada de 500 novos elementos, passando esta valência a ter um efetivo de 1.064 militares, a estar pela primeira vez presente em todos os distritos do continente e na Madeira.

Além da prevenção e do combate inicial, os GISP vão estar também, pela primeira vez, disponíveis para o ataque ampliado a partir de estruturas que serão colocados em Mirandela, Viseu, Aveiro e Loulé.

Para garantir uma maior proteção às aldeias em caso de fogo foram criados os programas “Aldeias Seguras” e “Pessoas Seguras”, que já estão implementados em 700 localidades dos 189 municípios do país que têm freguesias de risco.

Também neste primeiro de julho entrou em funcionamento o novo sistema de alerta por mensagem de telemóvel, destinado a informar as populações quando é declarado pela Autoridade Nacional de Proteção Civil o nível vermelho.

CM

 

Pode ver também

Novo bispo de Viseu Padre António Luciano toma posse este domingo

Padre António Luciano atual capelão do Hospital da Guarda, foi nomeado no passado mês de …

Comente este artigo