Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / Mangualde: António Costa quer atrair empresas para gestão profissional da floresta

Mangualde: António Costa quer atrair empresas para gestão profissional da floresta

O primeiro-ministro defendeu em Mangualde que “é preciso atrair para Portugal” empresas como há noutros países para a gestão profissional da floresta de forma a “valorizar este recurso natural” e “evitar tragédias” como as do ano passado.

“Se assentarmos exclusivamente numa gestão não profissional, não economicamente eficiente, sem músculo financeiro, sem visão estratégica e empresarial nós não temos, efectivamente, futuro para a nossa floresta e o país não tem direito a abdicar de um recurso fundamental como é a floresta, porque um país que tem poucos recursos naturais como nós temos, o mínimo que temos de fazer é valorizar aqueles que dispomos”, afirmou António Costa.

É preciso por isso, acrescentou, mobilizar a sociedade portuguesa, os autarcas, a administração central e o tecido económico, porque é necessário “atrair para Portugal empresas como as que existem no Chile, na Finlândia e em tantos, tantos outros países que fazem uma gestão profissional da floresta”.

“Ou como proprietários ou como arrendatários, mas que asseguram aquilo que a propriedade fragmentada que temos hoje não pode assegurar. É um trabalho que é essencial prosseguir de forma a que evitemos as tragédias que vivemos recentemente”, lembrou.

António Costa falava durante uma visita à Sonae Arauco Mangualde, uma das empresas afectadas pelos incêndios de Outubro de 2017 e cuja matéria-prima é a madeira.

“Temos um problema nacional com a nossa floresta, porque é desordenada e é uma floresta que, em vez de ser uma riqueza ao serviço do país, transforma-se tantas e tantas vezes uma ameaça aos bens, às empresas, às habitações e à própria vida humana. A reforma florestal é absolutamente decisiva”, afirmou.

Uma reforma que, acrescentou, deve acontecer “sem prejuízo da propriedade de cada um” e ser gerida por “uma entidade que tenha capacidade e visão de gestão económica e escala para lhe dar essa gestão”.

“Esse investimento só é possível se não estivermos a falar de milhares de micro propriedades, mas podermos estar a falar de milhares de micro propriedades inseridas num grande espaço gerido em comum”, sublinhou.

Uma floresta onde, disse, “é possível ter o eucalipto de crescimento rápido que é essencial à indústria do papel, onde é preciso ter pinho de qualidade e certificado que é essencial à indústria da madeira e de onde resultam os resíduos que podem ser devidamente valorizados na produção do MDF ou da biomassa”.

Público

 

Pode ver também

Câmara de Oliveira de Frades prepara concessão de recolha de lixo a empresa privada

A câmara de Oliveira de Frades prepara-se, segundo comunicado da CDU Viseu, para concessionar a …

Comente este artigo