Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / Empresa de produtos farmacêuticos “Labesfal” discrimina trabalhadoras

Empresa de produtos farmacêuticos “Labesfal” discrimina trabalhadoras

A empresa de produtos farmacêuticos “Labesfal”, sediada em Campo de Besteiros, no Concelho de Tondela, discriminou várias trabalhadoras por terem exercido os seus direitos de maternidade, avança em comunicado o PCP de Viseu.

As trabalhadoras requereram, ao abrigo da lei e do reconhecimento dos seus direitos, a alteração e redução do horário de trabalho para o acompanhamento dos seus filhos menores.

Segundo comunicado do PCP, como represália ao exercício desse direito, a empresa “Labesfal”, decidiu não aplicar aumento salarial, nem pagamento de prémios às trabalhadoras, discriminando-as em relação aos restantes funcionários.

João Abreu, do PCP de Viseu em declarações à Alive Fm, diz que a empresa não está a cumprir com a lei do trabalhador.

O PCP de Viseu diz não ser admissível a existência de situações como estas, em empresas que se dizem de referência e por isso se consideram acima da lei e da Constituição da República Portuguesa.

Este é um processo que se arrasta há cerca de dois anos, que apesar de denunciado à ACT – Autoridade para as Condições de Trabalho, já em Julho de 2017 e à CITE – Comissão para a Igualdade no Trabalho e Emprego, em 14 de Setembro de 2018, não mereceu da primeira entidade qualquer resposta ou ação junto da empresa no sentido da reposição da legalidade e a segunda enviou um texto de resposta à denúncia de discriminação, que segundo o PCP de Viseu, mais parece ter sido uma resposta do gabinete de recursos humanos da  “Labesfal”.

Em face da impunidade e da persistência deste procedimento discriminatório por parte da “Labesfal”, o Grupo Parlamentar do PCP, dirigiu ao Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, um Requerimento, no qual considera urgente que o Governo tome medidas para garantir o cumprimento cabal da Lei e dos direitos das trabalhadoras, reclamando, simultaneamente, a aplicação de todas as sanções legalmente previstas à empresa, pela prática de discriminação em função do sexo, resultante do exercício de direitos de maternidade.

 

Pode ver também

Proteção Civil alerta para perigo de incêndio rural devido ao aumento da temperatura

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) lançou hoje um aviso de perigo de incêndio …

Comente este artigo