Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / Diligências da Câmara de Sátão para acabar com depósito de lamas de fossas no concelho
2

Diligências da Câmara de Sátão para acabar com depósito de lamas de fossas no concelho

Exclusivo Alive Fm

Há dois anos que a empresa Irmãos Almeida Cabral anda a transportar e a depositar lamas provenientes de ETARs na serra do Seixo concelho de Sátão.

As referidas lamas são depositadas em valas e depois cobertas com terra sem que alegadamente tivessem sido tratadas e sem qualquer impermeabilização do solo.

A Câmara de Sátão tem conhecimento da situação desde julho de 2015, altura em que deu início a uma série de alertas, através de oficio à CCDR (Comissão de Coordenação e desenvolvimento Regional do Centro).

O Autarca Alexandre Vaz, salienta que esta é uma situação que tem de ser resolvida pela CCDR, que apesar das várias diligências junto da empresa e das autoridades, continua à espera de uma informação da GNR, que o ano passado levantou um auto de notícia para que a empresa removesse do local todas as lamas.

Confirmado está, que este é um crime ambiental, a Câmara de Sátão vai perguntar outra vez à CCDR quais as diligencias que foram tomadas.

O autarca de Sátão falou também com os responsáveis da empresa Irmãos Almeida Cabral, onde informaram que a situação estava a ser resolvida.

Alexandre Vaz, diz que a empresa tem um depósito em Mangualde e é para esse local que as lamas das fossas têm de ser transportadas e não para o Sátão.

Caso a situação não seja resolvida o mais rápido possível, o autarca Alexandre Vaz diz que vai pessoalmente a Coimbra para que a CCDR tome as medidas necessárias para acabar com o depósito de lamas no concelho, porque como salienta o autarca, a Câmara não tem competências para resolver o caso.

A Alive Fm teve acesso aos documentos que responsabiliza a empresa Irmãos Almeida Cabral, pela deposição das lamas provenientes de fossas na serra do Seixo, concelho de Sátão, freguesia de Mioma.

A situação é do conhecimento da Câmara de Sátão desde julho de 2015, que na altura em ofício enviado à CCDR (Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro) informou os serviços desta Comissão para o depósito de lamas perigosas.

No dia 21 de outubro de 2015, técnicos da CCDR Centro, deslocaram-se ao local e foi “ constatado uma deposição de lamas numa vasta área, num terreno sem qualquer impermeabilização ou cobertura, situação que provoca a poluição do solo e das águas e proliferação de moscas e de mau cheiro”

“Tendo em conta a informação prestada pela Câmara Municipal de Sátão e pelo Núcleo de Proteção Ambiental, foi possível apurar que os resíduos (lamas) foram depositados nesse local pela empresa denominada “ Irmãos Almeida Cabral”, tendo a GNR procedido ao levantamento de um auto de notícia por contraordenação, que remeteu para a Inspeção Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento de Território.

O mesmo ofício refere que “ De acordo com o auto de notícia, após solicitação da Câmara Municipal de Sátão, no dia 29 de julho de 2015 uma patrulha do NPA da GNR de Mangualde, deslocou-se ao local, tendo verificado a existência de um grande aglomerado de lamas proveniente de ETAR.

No dia 3 de agosto, no posto da GNR de Mangualde, um dos sócios da empresa Irmãos Almeida Cabral, informou “ que se tratava de um depósito temporário de lamas proveniente de ETARs, depósito para o qual, a empresa não tinha licenciamento.”

O mesmo ofício refere “ Face ao exposto, tendo em conta a gravidade da situação” a empresa em causa foi notificada para no prazo de 60 dias proceder a:

  • “Remoção de todos os resíduos depositados ilegalmente no local identificado na freguesia de Mioma, concelho de Sátão.

Depois da notificação de 21 de dezembro de 2015, a empresa em causa no dia 28 de março comunica à CCDR Centro que “ irá proceder à remoção do composto em assunto no local em questão”

“No entanto e como as condições de acessibilidades do caminho de acesso ao local não têm permitido esta operação, a nossa empresa vem solicitar uma prorrogação de prazo de mais 60 dias para o cumprimento das vossas indicações …”

Face ao exposto pela empresa a CCDR prorrogou o prazo até 20 de junho de 2016.

No dia 27 de julho a CCDR solicita à GNR de Mangualde “a verificação do cumprimento da dita notificação.

Depois da troca de ofícios, entre a CCDR, Câmara Municipal de Sátão e GNR, durante os anos de 2015 e 2016, as referidas lamas continuam não só por remover do local com nas últimas semana a empresa em causa, continua a depositar lamas na serra do Seixo.

Depois da situação tornada pública a Câmara de Sátão voltou a insistir junto das entidades responsáveis para o facto de continuarem a ser depositadas as referidas lamas, já esta semana a autarquia foi informada através da CCDR Centro, que a GNR vai manter o local e a empresa sob vigilância, sendo também solicitada à ASAE (Autoridade de segurança Alimentar e Económica) eventual fiscalização.

No facebook oficial da Câmara de Sátão pode ler-se “que o município está atento e empenhado na resolução deste grave problema mas através das entidades competentes.

 

Pode ver também

hospital

Festival de Jazz de Viseu passou pela Pediatria do Hospital São Teotónio

“Gostávamos muito de levar o Festival de Jazz de Viseu à Pediatria!”. Foi esta a …

Comente este artigo