Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / Comunistas de Viseu defendem direitos dos trabalhadores da PSA Mangualde

Comunistas de Viseu defendem direitos dos trabalhadores da PSA Mangualde

No quadro da Campanha «Valorizar os Trabalhadores. Mais Força ao PCP», o deputado comunista na Assembleia da República, Miguel Tiago, cumpriu um conjunto de reuniões e contactos, em que estiveram em destaque os direitos dos trabalhadores da PSA Peugeot/Citroen, sediada em Mangualde.

O deputado do PCP participou, na mudança de turno das 15 horas, distribuindo o documento nacional do PCP alusivo à Campanha em curso, período em que teve oportunidade de contactar os trabalhadores e ouvir os seus protestos contra o assédio moral na linha de produção e a discriminação protagonizada pelo Grupo PSA aos trabalhadores do Centro de Produção de Mangualde, relativamente aos prémios, em relação aos seus colegas franceses e espanhóis.

O PCP reuniu depois com a Comissão de Trabalhadores do Centro de Produção de Mangualde da PSA/Peugeot-Citroen, que informou a delegação do PCP das suas preocupações com os brutais ritmos de trabalho impostos aos operários da produção, sobre a utilização indiscriminada e ilegal da “bolsa de horas” (trabalho ao sábados e mais uma hora no turno da tarde, até à meia noite), consideradas duas das razões fundamentais do aumento exponencial da produção e dos lucros do Grupo PSA.

Miguel Tiago, comprometeu-se em levar à Assembleia da República um conjunto de questões levantadas pela C.T., reafirmando que não há transformações nem conquistas de direitos económicos, sociais e políticos sem a luta dos trabalhadores, lembrando que este é um Governo minoritário do Partido Socialista, comprometido com o grande capital, que em sede de discussão do Orçamento do Estado, não hesitou em votar com o PSD e o CDS contra o aumento do Salário Mínimo para 600 euros e da obtenção da reforma por inteiro sem penalizações dos trabalhadores com 40 ou mais anos de descontos.

Durante a manhã, o deputado reuniu com a Comissão Executiva da União de Sindicatos de Viseu, que deu conta da sua preocupação com a intensificação do trabalho precário no Distrito, mas também com o êxito da luta em muitas empresas, que tem levado à conquista de aumentos salariais e do subsídio de refeição, como é exemplo da AVON, em Tondela.

 

Pode ver também

Académico de Viseu “não esquece o caso Santa Clara”

A direção do Académico de Viseu revelou em conferência de imprensa que não vai esquecer …

Comente este artigo