Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / Associação de Municípios quer que obras públicas estimulem a coesão

Associação de Municípios quer que obras públicas estimulem a coesão

A Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) quer que as obras públicas, no âmbito do Plano Nacional de Investimento, “estimulem a coesão territorial e a competitividade” de todo o território.

Falta neste Plano Nacional de Infraestruturas 2030 (PNI 2030) uma estratégia territorial, para o país e para as regiões”, e é “essencial contrariar a tendência de concentração de 80% da população em 20% do território”, afirma o vice-presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses e presidente da Câmara de Viseu Almeida Henriques, apelando ao Governo que tenha em conta a competitividade de todo o território.

No documento, a ANMP alerta para o risco de o Governo ceder ao impulso de lançar um conjunto de obras públicas ‘ad hoc’, com o objetivo único de apoiar a retoma da atividade económica e a manutenção do emprego, sem ter, no entanto, em conta, os objetivos de coesão territorial e competitividade dos territórios.

“Para isso, é necessária uma política de desenvolvimento regional, orientada para a redução da disparidade de rendimentos entre territórios, que estimule a coesão territorial e a competitividade desses territórios”, sob pena de esta ser “mais uma década perdida”, sublinha o dirigente da ANMP, que também é presidente da Câmara de Viseu.

O Plano Nacional de Infraestruturas  2030, e que a aprovação parlamentar tem sido “sucessivamente adiada desde 2018″, tem investimentos totais previstos de 22 mil milhões de euros, refere a ANMP, adiantando que o documento aguarda agora pelo relatório de avaliação do Conselho Superior de Obras Públicas”, que “deverá ser entregue ao Governo nas próximas semanas”.

Para a ANMP, o plano “continua a ter fragilidades”, desde logo em relação às redes de cobertura de fibra ótica e GSM (sistema global de comunicações moveis) e “este é hoje um dos fatores mais relevantes de desequilíbrios no território, como ficou bem patente durante a pandemia, nos diferentes domínios, com enfoque na educação, saúde e empresas”, salienta Almeida Henriques.

“Não se fixam investimentos nem pessoas em ‘territórios desconectados’, portanto é fundamental incluir uma estratégia nacional Portugal Digital 100%”, acrescenta.

Em relação à ferrovia, rodovia e infraestruturas aeroportuárias, a Associação de Municípios “critica igualmente o facto de o atual plano não contemplar ligações às principais cidades capitais de distrito, assim como, no caso da rodovia, a necessidades de construção de troços que potenciem a fixação de investimento”, designadamente em parques empresariais.

O interior do país “continua ausente das prioridades dos sucessivos executivos, que não promovem a competitividade destes territórios, nem deixam promover”, alerta, citado pela ANMP, Almeida Henriques.

“É necessário concretizar e aprofundar a delegação de competências nas autarquias em domínios como as infraestruturas, vias de comunicação, apoio social, proteção civil, entre outras”, afirma ainda o vice-presidente da ANMP.

A Associação de Municípios defende também a necessidade de promover a eficiência energética nas infraestruturas públicas e na iluminação pública, e, “no âmbito do Ciclo Urbano da Água, o reforço de fundos com vista à diminuição de perdas, aumento da capilaridade do fornecimento” e tratamento de águas residuais.

 

Pode ver também

Treinador do Tondela, Natxo González, quer plantel com mais “pontaria” frente ao Gil Vicente

O treinador do Tondela, Natxo González, disse esta segunda-feira que a equipa precisa de “melhorar …

Comente este artigo