Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / “António Pedro Reafirmou que era uma ficção” – Almeida Henriques

“António Pedro Reafirmou que era uma ficção” – Almeida Henriques

Continua a polémica acerca do filme “Amor Impossível” rodado no concelho de Viseu e, desde 24 de dezembro é exibido nos cinemas de todo o país.

O Ministro da Cultura João Soares no seu discurso na apresentação da programação do I centenário do Museu Nacional Grão Vasco teceu elogios ao realizador do filme, António Pedro Vasconcelos pelo excelente filme que realizou.

Após a apresentação do programa do I centenário do museu situado em Viseu, os jornalistas questionaram o Ministro da Cultura, João Soares acerca da polémica que opõe Paula Fulgêncio, Mãe de Joana Fulgêncio e o realizador do filme.

O governante referiu que não conhecia nenhuma polémica e referiu que Almeida Henriques, presidente da Câmara Municipal de Viseu poderia conta-la se quisesse, mas referiu que o filme é uma ficção.

Já o autarca viseense que se encontrava ao lado do governante referiu que “António Pedro reafirmou que era uma ficção”.

Ao que a Alive FM apurou, Paula Fulgêncio, Mãe de Joana Fulgêncio, jovem que foi assassinada pelo namorado, David Saldanha, em novembro de 2009 em Viseu, refere na sua página do Facebook que  o realizador usou a história da filha para a realizar.

Na sua cronologia refere:

Esse filme é o relato da vida e tragédia que aconteceu à minha filha, mas filme esse que eu não autorizei“.

Paula Fulgêncio deu a entender a António Pedro Vasconcelos que não permitia a rodagem e exibição de “Amor Impossível”, pois não se encontrava preparada para rever toda a tragédia.

A Mãe de Joana Fulgêncio afirma ainda que:

É imperdoável e desumano que esse realizador, movido pela ganância do dinheiro e ‘poder’, tenha ignorado a minha decisão e avançado com as gravações

Na sua cronologia refere que este caso será julgado e que irá “até às últimas consequências”

Paula Fulgêncio também mostrou a sua indignação por o realizador ter afirmado numa entrevista que a história deste filme foi “toda imaginada por ele e que tinha escolhido Viseu para gravar por mero acaso”.

A Mão de Joana Fulgêncio que não fala com os órgãos de comunicação social tem utilizado a rede social Facebook, onde na sua cronologia tem mostrado a sua indignação como pode ver o texto e imagem abaixo

vende

“VENDO Á MELHOR OFERTA:

ISTO DE VIVER EM SOCIEDADE SEM VALORES MORAIS E SEM DECÊNCIA, PENSANDO APENAS NOS SEUS BENEFICIOS, TEM AS SUAS CONSEQUÊNCIAS, POR ESSA RAZAO E

TENDO EM CONTA QUE TUDO VALE A TROCO DE RIQUEZA, VENDO PRODUTO EXCLUSIVO A QUALQUER INTERESSADO, INCLUÍNDO ESTAÇOES DE TELEVISAO, JORNAIS, REVISTAS, ETC…

O ARTIGO É OS E MAILS TROCADOS COM O “realizador mas pouco” ANTÓNIO PEDRO VASCONCELOS E AINDA, AS CONVERSAS GRAVADAS NA FUNÇAO “AUTOMATIC CALL RECORD” DO MEU TELEMOVEL COM A INTERMEDIÁRIA E FUNCIONARIA DA TVI GLÓRIA MIRALDES.

IMFORMO QUE QUALQUER SEMELHANÇA DO MEU ANUNCIO, COM ALGUM DISLATE CINÉFILO, É APENAS MERA CONHECIDÊNCIA ATÉ PORQUE EU NAO PAGO COM A MESMA MOEDA, FRANCOS SUIÇOS É MUITO MAIS CHIQUE !!” (este é o texto original que se encontra na cronologia).

Deixamos o sinopse e o trailer de “Amor Impossível” do realizador, António Pedro Vasconcelos.

Sinopse

Cristina (Victória Guerra) desapareceu. Tiago (José Mata), o seu namorado, afirma que ela foi raptada, mas é uma história em que Madalena (Soraia Chaves) e Marco (Ricardo Pereira), os dois investigadores da Policia Judiciária responsáveis pelo caso, têm dificuldade em acreditar. Ao seguir as pistas que antecederam o crime, “Amor Impossível” caminha entre duas narrativas paralelas: – a de Cristina, uma jovem que busca um amor total e sem limites; – e a de Madalena, uma mulher que, ao investigar o desaparecimento, é confrontada com as insuficiências da sua própria relação.

Trailer

 

Pode ver também

Os jogos para amanhã…

Joga-se amanhã a 12ª Jornada do Campeonato Distrital da Divisão de Honra da Associação de Futebol …

Comente este artigo