Académico de Viseu critica a decisão tomada pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol – Alive FM 89.9 FM – Viseu
Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / Desporto / Académico de Viseu critica a decisão tomada pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol

Académico de Viseu critica a decisão tomada pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol

O Académico de Viseu criticou hoje a decisão tomada pelo Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol, que confirmou os açorianos na I Liga de futebol. Presidente do Santa Clara, por outro lado, diz que se “fez justiça”.

“O Santa Clara recebeu a decisão com tranquilidade. É mais uma vitória do Santa Clara e dos Açores. Acreditamos que foi feita justiça, uma justiça proporcional, uma justiça que, acima de tudo, foi o que nós defendemos”, afirmou Rui Cordeiro, presidente do Santa Clara.

O dirigente falava aos jornalistas no Estádio de São Miguel antes do último jogo de preparação da época frente ao Sporting Ideal, do Campeonato Portugal.

Quanto a um possível recurso das equipas queixosas, Rui Cordeiro afirmou apenas que é “direito constitucional, que está ao acesso de qualquer cidadão”.

O Santa Clara vai poder disputar a I Liga, depois de o Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol ter absolvido os açorianos pela alegada falta de habilitações do treinador, disse hoje à agência Lusa fonte dos insulares.

Fonte oficial do Santa Clara confirmou à Lusa a decisão, que absolveu os açorianos e julgou improcedentes as queixas de Académica e União da Madeira, sobre uma alegada fraude nos contratos com elementos da equipa técnica, devido ao facto de o treinador Carlos Pinto não ter formação adequada para treinar uma equipa da II Liga.

A versão do Académico de Viseu

“Quando se chega a este ponto, em que se diz não se conseguir provar que Carlos Pinto era o treinador principal, está tudo dito”, disse à agência Lusa Pedro Ruas, advogado do clube viseense.

O clube açoriano indicava Luís Pires, coordenador da formação, como técnico principal, sem que este tenha estado nos jogos, mas, segundo o advogado do clube, “é dito pelo CD que não se conseguiu provar que o técnico principal não era Carlos Pinto, o que, no mínimo, parece bizarro”.

“Estamos a aguardar com serenidade, mas com total confiança, que no TAD nos será dada razão”, terminou.

A decisão do Conselho de Disciplina

De acordo com o despacho do Conselho de Disciplina (CD), a que a Lusa teve acesso, o órgão federativo concluiu que o “quadro técnico do Santa Clara não sofreu qualquer alteração” durante a época, integrando Luís Pires, que detinha habilitações.

O Santa Clara assegurou a promoção à I Liga, com o segundo lugar no segundo escalão, com 66 pontos, mais dois do que o Académico de Viseu, terceiro classificado, enquanto o União da Madeira ‘caiu’ para o Campeonato de Portugal, ao terminar o campeonato no 17.º posto, com os mesmos 44 pontos do Sporting de Braga B.

Lusa

 

Pode ver também

Ministério da Justiça estuda proposta para ampliar tribunal de Viseu

Ministério estuda construção de 13 novos tribunais nos próximos 10 anos Governo defende agregação de …

Comente este artigo