Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / Dois aviões de combate a incêndios deslocados de Vila Real para Viseu

Dois aviões de combate a incêndios deslocados de Vila Real para Viseu

Decisão de reposicionar dois aviões anfíbios surge na sequência do encerramento do aeródromo de Vila Real esta terça-feira “por motivos de segurança”.

Os dois aviões médios anfíbios de combate a incêndios foram reposicionados esta terça-feira. 16 de junho, em Viseu, informou a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), depois de o aeródromo de Vila Real ter sido encerrado por razões de segurança.

A Câmara de Vila Real anunciou o encerramento do aeródromo municipal “por tempo indeterminado” à operação de aviões, depois de ter sido detetado “um perigo de abatimento na pista”.

Em resposta a um pedido de esclarecimentos da agência Lusa, a ANEPC explicou que tem três meios aéreos a operar a partir do aeródromo de Vila Real: um helicóptero ligeiro e dois aviões médios anfíbios.

Em consequência deste encerramento, a Autoridade referiu que os aviões “serão reposicionados hoje no aeródromo de Viseu”.

“No imediato, serão reposicionados no aeródromo de Viseu. No entanto, estão a ser estudadas outras alternativas de operação a curto/médio prazo”, salientou a fonte.

De acordo com a Autoridade, o encerramento “não impede a operação do helicóptero ligeiro” a partir de Vila Real.

A ANEPC disse que “o reposicionamento dos meios aéreos atende a critérios como a situação operacional em curso ou previsível, bem como a variáveis meteorológicas, histórico e mapa de perigosidade, e tem como referência os centros de meios aéreos passíveis de serem utilizados por cada tipologia de aeronave, designadamente a capacidade de combustível necessária, comprimentos de pista e infraestruturas de apoio à operação”.

“Os dois aviões médios anfíbios não deixarão de estar operacionais, sendo apenas reposicionados do aeródromo de Vila Real para o aeródromo de Viseu”, garantiu a Autoridade Nacional.

O presidente da Câmara de Vila Real, Rui Santos, disse que foram feitos ensaios técnicos e uma avaliação por firmas independentes, que “comprovaram uma fragilidade do solo que sustenta o piso da pista devido à travessia transversal de uma linha de água em profundidade”.

O autarca referiu que esta linha de água, localizada a sete, oito metros de profundidade, “tem erodido o solo nessa área” e “está a comprometer a sua segurança”.

“Razão primeira e suficiente para procedermos ao seu encerramento preventivo”, afirmou.

O resultado do relatório foi conhecido na segunda-feira e, segundo Rui Santos, o município “agiu de imediato”.

O presidente afirmou que a resolução do problema vai obrigar a um “investimento muito avultado”, entre os “350 mil a 400 mil euros”, o que implica a abertura de um concurso público, bem como o aval do Tribunal de Contas.

“Sendo uma despesa avultada e não prevista no orçamento municipal, será necessário que o município procure, junto do Governo e das entidades estatais afetadas, uma solução financeira que permita a viabilização desta reparação no mais curto período de tempo possível”, afirmou Rui Santos.

 

Pode ver também

Nove anos de prisão efectiva para mulher acusada de burlar cidadãos franceses

As quatro pessoas acusadas de sequestro e burla a cidadãos franceses foram condenadas no Tribunal …

Comente este artigo