Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / Viseu: 100 mil euros para promover “Cidade Europeia do Folclore”

Viseu: 100 mil euros para promover “Cidade Europeia do Folclore”

Viseu, que é “Cidade Europeia do Folclore” durante este ano, vai dinamizar residências artísticas para promover uma revalorização e reinterpretação do folclore e da tradição de raiz popular da região,

Segundo Jorge Sobrada, vereador da Cultura da câmara de Viseu, vai ser feito “um conjunto de encomendas artísticas a criadores da moda, da música e da dança” de Viseu e do resto do país, que vão trabalhar nesta área.

“O folclore tem todas as condições, pela sua mitologia, pela sua riqueza, pelo seu imaginário, pela sua iconografia, para sacudir o preconceito de atraso e de pobreza que ele não tem”, salientou Jorge Sobrado, considerando que esta iniciativa, desenvolvida no âmbito da “Cidade Europeia do Folclore”, pretende isso mesmo: sacudir o preconceito e valorizar a riqueza cultural da tradição popular portuguesa.

De acordo com Jorge Sobrado, o município quer fazer “com o folclore o que aconteceu com o fado nas últimas décadas, que se reinventou e se reconciliou com o público português e com as comunidades culturais e artísticas”.

O vereador sublinhou que esta renovação não implica, no entanto, que o folclore “não mantenha a sua pureza”, considerando que há tanto espaço para a preservação como para a reinterpretação.

Nesse sentido, a autarquia, para além de investir cerca de 100 mil euros no desafio a artistas contemporâneos, vai também investir um montante semelhante num plano para o reequipamento e criação de projetos de serviço educativo por parte de grupos, associações e ranchos folclóricos do concelho.

Com esse projeto, Viseu quer “levar o folclore às escolas e trazer as escolas para dentro do folclore”, num projeto de “dinamização e revitalização do tecido associativo ligado aos grupos de folclore”, explanou.

“A nossa ambição maior é dar um contributo para que a população portuguesa volte a demonstrar um interesse e um efeito de sedução pela cultura tradicional de raiz popular”, vincou.

No decorrer de 2018 e ainda no âmbito do ano da “Cidade Europeia do Folclore”, o município traçou também como objetivo alcançar mais de 40 mil entradas (em 2017, registaram-se 35 mil) nos seis espaços museológicos municipais do concelho: Museu Almeida Moreira, Casa Arqueológica José Coelho, Quinta da Cruz, Casa da Ribeira, Museu do Quartzo e Museu do Linho de Várzea de Calde.

A estes vai somar-se também o primeiro espaço expositivo do futuro Museu de História da Cidade, que arranca a 18 de maio.

Para isso, a autarquia aposta num “programa que não seja estritamente expositivo, mas que seja educativo e interativo com os públicos”, procurando conquistar a comunidade escolar, mas também atrair famílias, sintetizou Jorge Sobrado.

 

Pode ver também

Obras na sede da Banda Musical de Penalva do Castelo orçadas em 100 mil euros

Infiltrações no telhado, humidade e a falta de salas para ensaios, no edifício da coletividade …

Comente este artigo