Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / PSD Sátão reage ao vídeo crítico do Pela Nossa Terra a falar da Zona Industrial

PSD Sátão reage ao vídeo crítico do Pela Nossa Terra a falar da Zona Industrial

A propósito de um vídeo que a candidatura Pela Nossa Terra divulgou recentemente a criticar a actuação do actual executivo camarário relativamente à nova área empresarial de Sátão, o PSD não se demorou na resposta.

Pela Nossa Terra afirma que o espaço continua com “ZERO EMPRESAS E ZERO EMPREGOS” muito por causa da “falta de acessibilidades à EN 229, a Viseu e à A25 e a inexistência de um regulamento de apoio financeiro à criação de emprego”, mas o PSD desmente o Grupo de Cidadãos.

Em comunicado, pode ler-se que considerações feitas são “completamente descabidas, injustas e injustificadas e sem quaisquer fundamentos”.

Ao contrário da acusação que lhes é feita, garantem que existe um regulamento municipal feito a 13 de abril do presente ano. “A Assembleia Municipal, aprovou o regulamento para a nova zona empresarial com os votos favoráveis de todos os membros municipais, onde se inclui o mencionado candidato, sem que o mesmo tenha feito qualquer reparo ao dito regulamento”.

No que toca à crítica da falta de acessibilidades, o atual executivo camarário afirma que por “intermédio do Senhor Presidente de Câmara tem frequente e incansavelmente reivindicado a requalificação da EN 229, ligação Sátão-Viseu” salientando o já aprovado projeto de “projeto da estrada que ligará a rotunda das Oliveiras – Avenida Conde D. Henrique – à EN229, estando a aguardar parecer/autorização da Infraestruturas de Portugal”.

O PSD dá ainda outros exemplos comprovativos da sua preocupação de dotar a Zona Industrial com bons acessos através da “requalificação do Alto da Ucha, frente à Cerútil, onde foi criado um parque de estacionamento e o melhoramento da via de acesso; requalificação da estrada que liga a rua Dr. Francisco Sá Carneiro à estrada de Serrazela, obra esta que já foi a concurso público e já se encontra adjudicada a empreiteiro”.

Insatisfeito ficou o Grupo de Cidadãos Pela Nossa Terra que lamenta o PSD de Sátão confunda “um regulamento municipal de atribuição de lotes, que foi aprovado na Assembleia Municipal de abril de 2017 (um ano e meio depois da conclusão da área empresarial!), com um regulamento financeiro de apoio à criação de emprego”. Quanto à Estrada Nacional 229, que continua a aguardar por uma autorização da Infraestrutura,  “só revela da pertinência e razão da nossa crítica e deixa bem evidenciado que o ‘carro andou à frente dos bois’ como diz o nosso povo de Portugal”.

Comunicados na íntegra:

«PSD COMUNICADO – AUTÁRQUICAS 2017

A comissão política de secção do Sátão encara o próximo ato eleitoral com grande sentido de responsabilidade e, por isso, sente o dever de ajudar a esclarecer todos os satenses. As próximas linhas são reservadas a uma primeira análise à atuação da candidatura “Pela Nossa Terra.”

O candidato à Camara Municipal pela pretensa lista de independentes, “Pela Nossa Terra”, vem, agora, e só agora, tecer considerações relativamente ao que tem sido a atuação da Câmara, sendo que as mesmas são completamente descabidas, injustas e injustificadas e sem quaisquer fundamentos. Referiu-se, num vídeo que fez circular no Facebook, à nova área empresarial do Sátão e às suas acessibilidades. Fez, portanto, mesmo que não fosse essa a sua intenção, publicidade merecida a uma de muitas obras importantes feitas pela Câmara Municipal. No entanto, nesse mesmo vídeo, ensaia uma tentativa de responsabilizar o executivo camarário pela ainda não instalação de qualquer indústria no novo parque empresarial, dizendo que tal facto se deve à falta de boas acessibilidades e à inexistência de um regulamento municipal. Ora, as afirmações que fez não correspondem minimamente à verdade. Existe regulamento municipal. Em 13 de abril do presente ano, a Assembleia Municipal, aprovou o regulamento para a nova zona empresarial com os votos favoráveis de todos os membros municipais, onde se inclui o mencionado candidato, sem que o mesmo tenha feito qualquer reparo ao dito regulamento. Além disso, no que respeita às acessibilidades, é sobejamente conhecido por todos que o atual executivo camarário por intermédio do Senhor Presidente de Câmara tem frequente e incansavelmente reivindicado a requalificação da EN 229, ligação Sátão-Viseu.  Como também foi já aprovado em reunião de Câmara o projeto da estrada que ligará a rotunda das Oliveiras – Avenida Conde D. Henrique – à EN229, estando a aguardar parecer/autorização da Infraestruturas de Portugal.

O Município não vai só dotar de bons acessos a nova Zona Industrial como se preocupou com os acessos às outras zonas industriais existentes no nosso concelho, a saber: requalificação do Alto da Ucha, frente à Cerútil, onde foi criado um parque de estacionamento e o melhoramento da via de acesso; requalificação da estrada que liga a rua Dr. Francisco Sá Carneiro à estrada de Serrazela, obra esta que já foi a concurso público e já se encontra adjudicada a empreiteiro.

Destes factos tem conhecimento o cabeça de lista à câmara pelo movimento “Pela Nossa Terra”, o que faz com que a posição que assume relativamente ao novo parque empresarial seja completamente demagoga, visando exclusivamente induzir os satenses em erro, não dando, assim, claramente, um contributo positivo para o concelho. Como, de resto, nunca deu.

Conhecendo todos as responsabilidades políticas que o referido candidato teve e a sua atuação no exercício das mesmas, designadamente, como membro municipal, como deputado da Assembleia da República com governos do seu partido – PS e como Governador Civil de Viseu, é legítimo perguntar: Por que razão só agora a sua preocupação com as acessibilidades? Por que só agora a sua preocupação com a criação de empregos no Sátão? Houve alguma obra que o candidato a Presidente da Câmara com a sua atuação/”influência” tenha conseguido para o concelho? Claramente que não. E podia ser diferente? Não. Certamente que não. Por um lado, porque, na verdade, nunca teve como prioridade os interesses do concelho. E por outro lado, porque, verdadeiramente, nunca se lhe notou força política que pudesse usar para reivindicar o que quer que fosse para o nosso concelho.

Caros satenses, contrariamente a outros, a prioridade do PSD Sátão é o desenvolvimento do concelho e o bem-estar das suas gentes. Foi por isso que aprovamos e apresentamos candidaturas aos vários órgãos autárquicos com o lema “A trabalhar sempre pelo Sátão”. É esta a candidatura que verdadeiramente pode defender os interesses de todos os satenses.

SÁTÃO primeiro.

A Comissão Política de Secção de Sátão».

____________________________________

«PELA NOSSA TERRA COMUNICADO 

Nova área empresarial de Sátão: EMPRESAS ZERO | EMPREGOS ZERO
A propósito de um vídeo que a candidatura PNT (Pela Nossa Terra) divulgou relativamente à nova área empresarial de Sátão, veio o PSD local tecer algumas considerações, no que concerne ao mesmo, que revelam bem da oportunidade do conteúdo do vídeo em apreço, que aqui e agora se reitera em absoluto, e que dizem bem do nervosismo das candidaturas dos sociais democratas em Sátão.
Assim, o PNT, Grupo de Cidadãos Pela Nossa Terra, candidatura suprapartidária, que encerra em si cidadãos de diversas áreas ideológicas e partidárias que conta com o apoio do PS e do CDS/PP, vem reiterar e esclarecer o seguinte:

1. A nova área empresarial de Sátão, concluída em 30 de setembro de 2015, tem hoje lá localizadas, volvidos dois anos sobre a sua conclusão, ZERO EMPRESAS E ZERO EMPREGOS como, infelizmente, todos podemos constatar;

2. Duas das causas para tal situação, como dissemos no vídeo e reiteramos, são a falta de acessibilidades à EN 229, a Viseu e à A25 e a inexistência de um regulamento de apoio financeiro à criação de emprego;
E passamos a explicar,

3. O facto de vir agora o PSD de Sátão dizer que “foi já aprovado em reunião de Câmara o projeto da estrada que ligará a rotunda das Oliveiras – Avenida Conde D. Henrique – à EN229, estando a aguardar parecer/autorização da Infraestruturas de Portugal”, só revela da pertinência e razão da nossa crítica e deixa bem evidenciado que o ‘carro andou à frente dos bois’ como diz o nosso povo;

4. Revela ainda o PSD de Sátão o seu completo desnorte interpretativo ao confundir um regulamento municipal de atribuição de lotes, que foi aprovado na Assembleia Municipal de abril de 2017 (um ano e meio depois da conclusão da área empresarial!), com um regulamento financeiro de apoio à criação de emprego, que foi aquilo que apresentámos no vídeo como um compromisso da nossa candidatura para a criação de emprego no concelho de Sátão, que implementaremos caso os eleitores nos confiram a vitória nas próximas eleições;
Finalmente,

5. Concordamos e saudamos as obras de melhoramento nos arruamentos que servem as empresas sediadas no Alto da Ucha, mas lamentamos que a antiga área empresarial de Sátão apresente o aspeto de degradação que se conhece a nível de arruamentos, passeios, iluminação e limpeza, o que não respeita os inúmeros empresários ali sediados e que deveriam merecer toda a atenção e respeito por parte da autarquia;
5.1. Daí que também aproveitemos para reiterar o nosso compromisso de requalificação da antiga área empresarial de Sátão a nível de pavimento, passeios, limpeza e iluminação;

6. Quanto às questões de índole pessoal e de “influência” com que pretenderam atacar o nosso candidato e as nossas candidaturas não nos pronunciamos pois não nos ofende quem quer.

Sátão, 23 de agosto de 2017

Grupo de Cidadãos Pela Nossa Terra».

 

Pode ver também

Tempestade Ana: 200 árvores caídas, estradas cortadas, zero vítimas

Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro adiantou que perto de 200 árvores caíram …

Comente este artigo