Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home / Notícias / Grupo julgado em Viseu por burla e sequestro

Grupo julgado em Viseu por burla e sequestro

Segundo a acusação, a mulher seduziria as vítimas, do sexo masculino e já com alguma idade, que acabavam por viajar até Viseu. Recebi-as na sua moradia, juntamente com o marido, o filho e o amigo, um francês reformado da construção civil.

A arguida está acusada dos crimes de associação criminosa, abuso de confiança agravado, burla qualificada, falsificação de documento agravado, violação de correspondência, furto e furto qualificado, burla informática, ofensa à integridade física, sequestro agravado, acesso ilegítimo, abuso de confiança e detenção de arma proibida.

O filho é acusado dos mesmos tipos de crime e está detido com pulseira eletrónica em prisão domiciliária no âmbito de outro processo.

O processo agora julgado refere-se a factos ocorridos em 2016 e 2017.

Na sessão de hoje, foi ouvida uma testemunha que ajudou duas das vítimas, um cidadão francês e a mulher, que estava em cadeira de rodas.

À chegada a Portugal, o casal ficou na moradia da arguida e depois mudou-se para um apartamento “de onde desapareceram muitas coisas, como ouro e o computador portátil”.

A testemunha contou que este casal foi atraído para este alegado esquema através de um ‘site’ — Camélia -, que anunciava tratamento a pessoas idosas.

“Segundo me contou o senhor Daniel, que tinha 82 ou 84 anos, a dona Fernanda pediu-lhe um cartão e o código e ele deu, de forma voluntária, para pagar contas, com a promessa de devolver o cartão, mas nunca lho deu”, contou Manuel Fernandes em tribunal.

Esta testemunha lembrou que Daniel Lascourreges “estava sem documentos de identificação e sem cartões e cheques e não saía de casa com temor, porque tinha muito medo das ameaças que recebia, apesar de não dizer de quem, e das consequências que poderia ter se saísse ou pedisse os documentos”.

Manuel Fernandes, missionário, contou que conheceu o homem através da filha, que trabalhava para Fernanda Costa e ia ao apartamento levar alimentos. Nesse contexto, percebeu que “a situação do casal se estava a degradar nos últimos meses, com a escassez de alimentos básicos e até de água”.

“Como falo francês, a minha filha telefonou-me e pôs-me em contacto com o senhor Daniel, que me confessou que tinha vindo porque sentiu atração física pela dona Fernanda e que ela o tinha tentado seduzir, despindo-se por duas vezes à frente dele para conseguir alguns benefícios económicos”, relatou.

Segundo a testemunha, a vítima terá perdido cerca de 700 mil euros, entre o dinheiro que lhe foi pedido e levantado da sua conta, inclusive com cheques que diz nunca ter assinado.

Manuel Fernandes esclareceu que foi ele quem levou o casal para fora do apartamento e, mais tarde, de volta a França, para junto da família. De lá trouxe uma procuração para pagar as dívidas deixadas em Portugal, “mas só as relativas ao apartamento, como as rendas em atraso, a água e o gás”.

Na próxima sessão, marcada para dia 03 de abril, vão ser ouvidos Daniel Lascourreges e outras vítimas.

Lusa

 

Pode ver também

Capacidade da albufeira de Pretarouca, em Lamego, aumentada em 30%

Segundo a Águas do Norte, “o concurso público para a obra acaba de ser lançado …

Comente este artigo